Pelo 7° ano consecutivo, gastos com armas batem novo recorde no mundo: mais de US$ 2,1 trilhões

·1 min de leitura

Segundo um relatório divulgado nesta segunda-feira (25), mais de US$ 2,1 trilhões foram gastos em 2021 em equipamentos militares em todo o mundo. Estados Unidos, China, Índia, Reino Unido e Rússia concentram dois terços deste montante.

Pelo sétimo ano consecutivo e apesar das consequências negativas à economia da pandemia de Covid-19, as despesas com armamentos bateram um novo recorde: US$ 2,1 trilhões. "Essa é a quantia mais alta que já registramos", afirma Diego Lopes da Silva, pesquisador do Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (Sipri, sigla em inglês).

De acordo com o relatório elaborado pelo instituto, as despesas da Rússia com material militar aumentaram em 2,9% pelo terceiro ano consecutivo, atingindo US$ 65,9 bilhões. Os gastos representam 4,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, "um nível mais elevado do que a média mundial", observa Lopes da Silva.

Segundo ele, os lucros com as exportações de petróleo e gás permitiram a Moscou financiar suas imensas despesas com equipamentos bélicos. No entanto, devido à onda de sanções da parte dos países ocidentais contra a Rússia desde a invasão à Ucrânia, dificilmente o Kremlin conseguirá manter o mesmo nível de gastos com armamentos, avalia o pesquisador.

Tensões na Europa

China aumenta investimento em armas há 27 anos

(Com informações da AFP)


Leia mais

Leia também:
Em crise, China quer mostrar poder bélico com parada militar megalômana
Venda de armas disparou no mundo em 5 anos, diz instituto sueco
Rússia desafia OTAN com um dos maiores exercícios bélicos desde o fim da Guerra Fria

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos