Pelo menos 40% das estatais de saneamento podem ser privatizadas

·1 minuto de leitura
Quase 40% das companhias públicas estaduais de saneamento do Brasil não conseguirão cumprir as regras do Novo Marco Legal do Saneamento
Quase 40% das companhias públicas estaduais de saneamento do Brasil não conseguirão cumprir as regras do Novo Marco Legal do Saneamento

Aproximadamente dez companhias públicas estaduais de saneamento do Brasil não têm em caixa dinheiro suficiente para investir e cumprir as metas de universalização dos serviços de água e esgoto, uma exigência do Novo Marco Legal do Saneamento, em vigor desde julho de 2020.

Companhias estaduais e municipais de água e esgoto deverão comprovar, até março de 2022, que têm o montante financeiro necessário. A não comprovação da saúde financeira pode fazer com que essas empresas percam o direito de operar nas áreas onde atuam ou ainda sejam privatizadas.

Leia também:

A consultoria GO Associados analisou a situação de 20 companhias públicas estaduais de saneamento do país e considerou itens como o nível de lucratividade, endividamento e geração de caixa da empresa. O resultado da análise comprovou que dez, ou 39% do total, não atendem aos critérios estipulados pela nova lei.

Das empresas que teriam sua situação reprovada, nove estão em estados do Norte e do Nordeste, como Maranhão (Caema), Rio Grande do Norte (Caern), Pará (Cosanpa) e Amazonas (Cosama). Da região sul, a que tem a pior situação é Casan, a companhia de águas de Santa Catarina.

As outras dez empresas cumprem os requisitos exigidos pelo Novo Marco Legal do Saneamento. Três delas, inclusive, possuem capital aberto e são consolidadas na bolsa de valores, como a Sabesp (de São Paulo), a Sanepar (Paraná) e a Copasa (Minas Gerais).

A análise levou em consideração os resultados financeiros dos últimos cinco anos das companhias registradas no Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos