Pentágono admite que EUA poderão enviar mais tropas para Oriente Médio

O vice-secretário de Defesa dos EUA, Patrick Shanahan, fala em uma reunião com o vice-primeiro-ministro vietnamita e ministro das Relações Exteriores, Pham Binh Minh, no Pentágono, em Washington, em 23 de maio de 2019

Os Estados Unidos avaliam a possibilidade de enviar mais tropas para o Oriente Médio para garantir a segurança do contingente já estacionado - afirmou o secretário americano da Defesa, Patrick Shanahan, nesta quinta-feira (23).

"O que estamos considerando é se há coisas que podemos fazer para melhorar a segurança das nossas forças no Oriente Médio", disse Shanahan à imprensa.

"Isso pode incluir enviar mais tropas", reconheceu.

O secretário interino, emitiu essa opinião antes de um encontro com o ministro vietnamita de Relações Exteriores, Pham Binh Minh, além de desmentir dados publicados pela imprensa americana sobre o número de soldados que Washington pretende enviar para a região.

"Não são dez mil ou cinco mil. Isso não é exato", disse Shanahan, que sugeriu que o Comando Central dos Estados Unidos (Centcom), encarregado da área onde ficam o Chifre da África e Oriente Médio, havia solicitado mais soldados ao Pentágono por conta das crescentes tensões com o Irã.

O novo comandante do Centcom, o general Kenneth McKenzie, já havia lamentado publicamente a redução no número de militares americanos no Oriente Médio decidida pelo Pentágono como parte de uma nova estratégia de defesa mais centrada na Rússia e China.

"Não temos efetivos suficientes para estar onde queremos estar com o número adequado, em todos os lugares, em qualquer momento" no mundo inteiro, declarou em maio durante uma entrevista em Washington.

Os Estados Unidos têm entre 60 mil e 80 mil soldados posicionados no Oriente Médio, sendo 14 mil no Afeganistão 5.200 no Iraque e menos de dois mil na Síria, segundo o Pentágono.