Pentágono aumenta estimativa de ogivas nucleares da China

·1 min de leitura
Bandeiras da China e dos Estados Unidos em Xangai

Por Idrees Ali e Phil Stewart

WASHINGTON (Reuters) - O Pentágono aumentou acentuadamente nesta quarta-feira sua estimativa sobre o arsenal de armas nucleares da China nos próximos anos, dizendo que Pequim pode chegar a 700 ogivas nucleares até 2027 e possivelmente mil até 2030.

Os números ainda seriam consideravelmente menores do que o arsenal nuclear atual dos Estados Unidos, mas representam uma mudança significativa na estimativa norte-americana em relação ao ano passado, quando o Pentágono alertou que o arsenal chinês chegaria a 400 até o final da década.

Os EUA pedem insistentemente que a China se una a eles e à Rússia em um novo tratado de controle de armas.

No relatório anual abrangente sobre as Forças Armadas chinesas que encaminhou ao Congresso, o Pentágono reiterou a preocupação com a pressão crescente da China sobre Taiwan, uma ilha que Pequim vê como uma província rebelde, e os programas químico e biológico e os avanços tecnológicos chineses.

Mas o relatório deu ênfase especial ao arsenal nuclear cada vez maior de Pequim.

"Ao longo da próxima década, a RPC almeja modernizar, diversificar e ampliar suas forças nucleares", disse o relatório, referindo-se ao nome oficial do país, República Popular da China.

O documento acrescentou que a China começou a construir ao menos três campos para silos de mísseis balísticos intercontinentais.

"Se a China concretiza ou não estas estimativas dos Estados Unidos dependerá em grande parte das políticas e ações dos Estados Unidos", disse Daryl Kimball, diretor-executivo da Associação de Controle de Armas.

"O potencial para a China aumentar seu arsenal para estes níveis sublinha a necessidade urgente de conversas bilaterais ou multilaterais pragmáticas para diminuir os riscos nucleares", acrescentou Kimball.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos