Pentágono deixa de aceitar jatos F-35 para verificar componente chinês

Por Mike Stone

WASHINGTON (Reuters) - O Pentágono parou de aceitar novos jatos F-35 depois de descobrir que um ímã usado no motor do caça foi feito com material não autorizado da China, disse uma autoridade norte-americana nesta quarta-feira.

Uma investigação em meados de agosto descobriu que uma liga na bomba de lubrificante do motor não estava em conformidade com as leis de compras dos EUA que proíbem conteúdo chinês não autorizado, disse o porta-voz do Pentágono, Russell Goemaere.

Goemaere confirmou que o ímã não transmite informações ou prejudica aeronaves e que não há riscos envolvidos.

A Lockheed Martin, que fabrica os jatos, disse que "o problema está relacionado a um ímã no F-35 Turbomachine fabricado pela Honeywell que inclui liga de cobalto e samário".

A Honeywell International, que fabrica a bomba, disse que "continua comprometida em fornecer produtos de alta qualidade que atendam ou excedam todos os requisitos do contrato do cliente".

Uma fonte alternativa para a liga será usada no futuro, disse o Escritório do Programa Conjunto em seu comunicado.

Existem outros ímãs de origem chinesa no jato que receberam isenções de funcionários anteriores do Pentágono.