Pequena, editora Figura se destaca com grandes edições de obras-primas dos quadrinhos

Emiliano Urbim
“O vento que sopra os pinheiros”, da ilustradora chinesa Zao Dao

As aventuras de Mort Cinder, sujeito que morre e revive desde os tempos bíblicos, são um clássico absoluto dos quadrinhos. Com roteiro sofisticado de Héctor Oesterheld e ilustrações delirantes de Alberto Breccia, foram publicadas na Argentina entre 1962 e 1964 e, desde então, influenciam mestres das HQs como Frank Miller (principalmente em "Sin City"), Mike Mignola ("Hell Boy") e Christophe Chabouté ("Henri Désiré Landru"). Dá para melhorar? Rodrigo Rosa e Ivette Giraldo, publishers da editora Figura, acharam que sim.

O casal garimpou originais (ou as melhores reproduções possíveis) entre colecionadores europeus e sul-americanos, corrigiu erros reproduzidos desde os anos 1960 (inclusive setas e balões mal posicionados) e buscou a impressão que fizesse jus à arte de Breccia.

O esmero com a obra-prima, inédita no Brasil, foi reconhecido em um bem-sucedido crowdfunding e rendeu o Troféu HQ Mix 2019 de melhor edição especial estrangeira — o terceiro da Figura em três anos.

Público fiel

O gaúcho Rodrigo Rosa já era um cartunista e ilustrador conhecido quando, em 2011, foi fazer um curso de edição em Barcelona. Lá conheceu Ivette, com quem foi morar em Medellín em 2013.

— Em 2016, vendi meu apartamento e pensei: como transformar um patrimônio sólido em algo arriscado e pouco rentável? Já sei: uma editora de quadrinhos — brinca Rodrigo. — Apostamos em “clássicos inovadores”, de preferência inéditos ou fora de catálogo no Brasil. Desde o início, o retorno tem sido excelente.

Além de “Mort Cinder”, a Figura lançou obras de mestres como os italianos Toppi (“Tanka” e “Sharaz-De”) e Dino Battaglia (“A máscara da morte rubra”) e o argentino Carlos Nine (“Crimes e castigos”). E o título mais recente é de um fenômeno da web: “O vento que sopra os pinheiros”, da ilustradora chinesa Zao Dao, 27 anos.

Todos os títulos foram viabilizados por vaquinha virtual e agora estão disponíveis no site figuraeditora.com, entre R$ 50 e R$ 90. Rodrigo comemora: cerca de 40% dos que contribuíram na primeira campanha, de "Sharaz-De", voltaram para todos os seguintes.

— A editora Figura encontrou a manha das campanhas de financiamento coletivo, consegue lançar edições de luxo a preços possíveis. É só pesquisar o preço das edições mesmo nível gráfico na Europa e você vai ver que estamos muito bem — diz Erico Assis, tradutor e pesquisador de quadrinhos. — O Rodrigo Rosa é quadrinista, dos bons, e faz livros com o tratamento gráfico em que, eu imagino, ele gostaria de ver seu próprio trabalho. Ou seja, ele trata muito bem os colegas.