Pequena Lô declara apoio a Lula e fala sobre representatividade: "Pensem no próximo"

Pequena Lo (Foto: Roberto Filho/Brazil News)
Pequena Lo (Foto: Roberto Filho/Brazil News)

Em suas redes sociais, a influenciadora Pequena Lô declarou seu apoio ao candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva. A ativista explicou que é seu papel como mulher PCD apoiar um candidato que se preocupe com a inclusão.

"Em menos de 1 mês temos uma data muito importante para a população brasileira, as eleições. E com isso, venho a público dividir com vocês que acompanham meu perfil: meu voto é no LULA", escreveu ela. "Atualmente, sou representante midiática de uma população que é minoria e com pouca visibilidade social, as PCDs. Como mulher, pessoa com deficiência, brasileira, usuária do sistema único de saúde (SUS) apoiadora das instituições de ensino, pesquisa e educação, temo em perder os poucos direitos que conquistamos ao longo dos anos, e também pelas próximas gerações que estão por vir. Que venha dia 02 de outubro, que as pessoas pensem no próximo, na sociedade", completou.

No Twitter, o perfil de Lula respondeu com uma mensagem breve: "Feliz com o seu apoio e confiança! Um abraço".

Capacitismo no Rock in Rio

Uma das convidadas do festival, a Pequena Lô afirmou que foi vítima de capacitismo por parte da modelo e apresentadora Ellen Jabour. De acordo com a influenciadora, ela tentava conseguir um espaço em frente à grade do espaço VIP para conseguir assistir aos shows com mais conforto. Ela usa uma moto elétrica para se locomover.

"Como eu tenho PAVOR de pessoas que são famosas e absurdamente metidas, e por isso acham que podem desrespeitar as pessoas. Estou aqui numa área reservada, fui convidada pelos donos, e aí uma pessoa que até então eu não conhecia me manda assim: ela pode ficar ali pro lado? Porque eu estou com duas amigas e a gente quer curtir juntas", lamentou ela.

Nas redes sociais, Jabour negou as acusações e disse que jamais seria capacitista. "Sou de paz, sempre respeitei todos à minha volta, sem distinções. Foi um grande equívoco, talvez até devido à música alta".