Pequim reforça controle sobre informações da internet

Líderes chineses do setor de tecnologia durante a Global Mobile Internet Conference (GMIC) em Pequim, em 27 de abril

A China promulgou uma nova norma que reforça a influência do regime comunista sobre os fornecedores de informação pela internet, meses antes de um importante congresso do partido no poder, que será realizado no fim do ano.

A internet é muito controlada na China, onde o governo bloqueia as redes sociais estrangeiras, como Facebook e Twitter, e censura todos os conteúdos considerados politicamente sensíveis.

No entanto, uma nova norma publicada pela Administração Chinesa do Ciberespaço (ACC) endurecerá ainda mais o controle a partir de 1º de junho, anunciou nesta quarta-feira a agência China News.

Os sites, aplicativos, fóruns de discussão, blogs, microblogs, mídias sociais, mensagens instantâneas e plataformas de vídeo ao vivo ou outras entidades de seleção ou publicação de informações devem, a partir de então, obter uma autorização antes de divulgar conteúdos sobre o governo, a economia, o exército ou os problemas sociais, disse o ACC.

Estes fornecedores devem "guiar corretamente a opinião pública", "servir à causa do socialismo" e sempre "preservando os interesses da nação e do povo", declarou o órgão do Estado a poucos meses do Congresso Quinquenal do Partido Comunista Chinês, que deve conceder um novo mandato ao presidente Xi Jinping, que atualmente dirige o país.