Perícia da Polícia Federal confirma que restos mortais são de jornalista inglês

A Polícia Federal confirmou nesta sexta-feira que os restos mortais enviados do Amazonas a Brasília são do jornalista inglês Dom Phillips, que estava desaparecido junto com o indigenista Bruno Pereira desde o dia 5 de junho. Segundo as investigações da PF, eles foram assassinados a tiros depois de serem perseguidos por um grupo que pratica a pesca ilegal no Vale do Javari, no extremo Oeste do Amazonas.

Os "remanescentes mortais" - como definiu a PF - foram recolhidos em local de "dificílimo acesso" próximo ao rio Itaquaí. O lugar foi indicado pelo suspeito Amarildo da Costa Oliveira, mais conhecido como Pelado, que confessou ter matado o jornalista e o indigenista, segundo a PF.

A constatação pericial foi realizada com base "no exame de Odontologia Legal combinado com a Antropologia Forense", diz nota da PF. Isso significa que os peritos conseguiram bater o material encontrado com laudos de arcada dentária enviadas pela família do inglês. Ainda falta confirmar se os restos mortais do segundo corpo pertencem a Bruno Pereira.

A confirmação definitiva só deve vir com o exame de DNA, que deve ser concluído até a próxima semana. A perícia está sendo feita no Instituto Nacional de Criminalística da corporação, em Brasília.

“Encontram-se em curso os trabalhos para completa identificação dos remanescentes, para a compreensão das causas das mortes, assim como para indicação da dinâmica do crime e ocultação dos corpos”, acrescenta o texto da PF.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos