Perda do cromossomo Y pode ajudar a explicar por que homens morrem antes

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um estudo publicado na última quinta-feira (14) na revista científica Science pode ajudar a explicar por que, em geral, os homens morrem antes das mulheres -no Brasil, a expectativa de vida para eles seria de 73,3 anos e para elas, de 80,3 anos, segundo o IBGE, desconsiderando a mortalidade provocada pela pandemia de Covid-19.

Segundo a pesquisa, conduzida por 25 cientistas dos Estados Unidos, Suécia e Japão, a falta do cromossomo Y observada em uma parte das células conforme os homens envelhecem -estima-se que ela afeta 40% dos idosos de 70 anos- propicia o surgimento de fibrose miocárdica, com comprometimento das células musculares do coração, e insuficiência cardíaca.

"Embora a perda do cromossomo Y já tenha sido associada a uma vida mais curta e ao aumento do risco de doenças relacionadas à idade, uma grande questão não abordada era se essa perda teria um papel causal no processo patológico", afirma o pesquisador Kenneth Walsh, professor na Escola de Medicina da Unidade da Virginia e um dos autores do artigo.

"Alguns chegaram a argumentar que a perda do cromossomo seria um indicador benigno de envelhecimento, como cabelos grisalhos ou rugas. Assim, realizamos um estudo para investigar se ela tem um papel direto no processo de adoecimento e elucidar como contribui para doenças", diz

O estudo revela que camundongos machos tratados para perderem seu cromossomo Y nas células do sangue, o que ocorre em homens idosos, tiveram uma deposição excessiva de tecido conjuntivo no coração, rins e pulmões. Em outras palavras, um conjunto de respostas do sistema imunológico levou a um processo conhecido como fibrose, afetando o funcionamento de diferentes partes do corpo desses animais. A pesquisa aponta ainda que os roedores sem Y tiveram um tempo de vida menor.

Os pesquisadores também conduziram análises a partir do UK Biobank, um repositório contendo dados médicos de cerca de meio milhão de pessoas, e verificaram uma associação entre a falta do cromossomo Y, doenças cardiovasculares e insuficiência cardíaca.

Após essas descobertas, a equipe se concentrou no coração por entender que poderia ajudar a elucidar um mecanismo que contribui para a insuficiência cardíaca não isquêmica, quadro que apenas nos Estados Unidos afeta cerca de 3 milhões de pessoas. "Essa forma é pouco compreendida em relação à insuficiência cardíaca isquêmica clássica, que resulta do bloqueio de uma artéria principal que fornece sangue ao músculo cardíaco. Além disso, existem muito poucas opções de tratamento para ela", explica Walsh.

Segundo os pesquisadores, um anticorpo neutralizador usado em uma parcela dos camundongos atenuou parte dos danos ao coração e talvez possa reverter parte dos impactos cardíacos desencadeados pela falta do Y. Esse é um dos próximos passos da pesquisa. Outro é buscar entender quem, além dos fumantes, está mais suscetível aos efeitos negativos da perda e por quê.

"Agora que existe um modelo experimental para análise em camundongos, podemos estudar por que o cromossomo Y é perdido e como preservá-lo", afirma o professor.

"Acima de tudo, precisamos definir os genes no cromossomo Y cuja perda leva a essas condições de doença", continua ele. "Uma vez que esses genes tenham sido identificados, poderemos realizar estudos mais profundos que poderão revelar novas características dos processos de adoecimento e envelhecimento, e levar ao desenvolvimento de novas terapias."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos