Perfil de PM que matou Leandro Lo é reativado no Instagram; família protesta

 O PM Henrique Otávio Oliveira Velozo e o atleta Leandro Lo (Foto: Reprodução/Redes Sociais )
O PM Henrique Otávio Oliveira Velozo e o atleta Leandro Lo (Foto: Reprodução/Redes Sociais )

O perfil no Instagram do policial militar Henrique Otávio de Oliveira Velozo, que matou o campeão mundial de jiu-jítsu Leandro Lo, foi reativado. O crime aconteceu em São Paulo, e o PM está preso.

A irmã do lutador Amanda Lo compartilhou no domingo (13) uma imagem da conta do PM na rede social.

Na legenda, conforme registro do portal Metrópoles, ela escreveu:

“Manifestação amanhã às 20h no Romão Gomes, assassino reativou a conta dele não pode ficar impune.”

Fátima Lo, mãe do atleta, compartilhou a mensagem.

Missa

A missa de 7º dia do campeão mundial de jiu-jitsu Leandro Lo Pereira, de 33 anos, reuniu amigos e familiares neste domingo (14) na Paróquia Nossa Senhora do Carmo, no bairro da Aclimação, em São Paulo. As informações são do portal g1.

Leandro morreu no dia 7 de agosto após ser baleado na cabeça pelo policial militar Henrique Otávio de Oliveira Veloso.

A mãe do esportista, Fátima Lo, fez o convite para a missa, que teve início ao meio-dia, em suas redes sociais. A publicação gerou inúmeros comentários de admiradores do campeão mundial, que se solidarizaram através de mensagens

O crime

De acordo com o relato de amigos que estavam com o lutador na casa de show, Veloso pegou uma bebida que estava na mesa deles. Após discutirem, Lo imobilizou o PM no chão para contê-lo. Quando já estava solto, o policial se levantou, deu quatro passos para frente, e depois se virou atirando na cabeça do lutador.

Lo chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Municipal Arthur Saboya, no Jabaquara, mas teve a morte cerebral confirmada.

O policial se entregou à polícia no domingo à noite e foi encaminhado ao presídio Romão Gomes, onde segue detido temporariamente por 30 dias, a pedido do Ministério Público.

Ele vai responder por homicídio doloso por motivo fútil.

Neste domingo, a TV Globo teve acesso as imagens que mostram que após atirar e matar Leandro Lo, o policial militar foi a uma outra boate onde consumiu uísque e gin.

De lá, ele saiu acompanhado de uma mulher, que seria uma prostituta, segundo o delegado que acompanha o caso.

Os dois foram a um motel, onde permaneceram por quase dez horas.