Perfis evangélicos de extrema direita mudam de estratégia e passam a mirar ataques em Lula

Os perfis de pastores e influenciadores evangélicos bolsonaristas mudaram a estratégia eleitoral nas redes sociais. Nas duas últimas semanas, ataques ao ex-presidente Lula, em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, passaram a disputar espaço com conteúdos que realçam os discursos do presidente Jair Bolsonaro e os “avanços” na economia do país, que até então dominavam os assuntos políticos da time line desses perfis. A mudança de estratégia foi apontada em pesquisa da Casa Galileia, grupo de pesquisadores que atua no fortalecimento do trabalho de católicos e evangélicos na promoção da democracia e monitora 296 perfis evangélicos, a maioria do campo da extrema direita.

Políticos de esquerda ou de direita? Pesquisa revela qual campo tem mais perfis e engajamento no TikTok

No WhatsApp: ataques e críticas dominam grupos pró-Lula e Bolsonaro

Segundo Flávio Conrado, um dos coordenadores da pesquisa, a mudança de comportamento começou há pouco mais de um mês e se intensificou nas últimas duas semanas. Coincidentemente ou não, os ataque começaram a se sobressair após a divulgação da última pesquisa Datafolha, que confirmou a possibilidade de Lula ganhar no primeiro turno, registrada no levantamento anterior.

— Os ataque a Lula começaram a aparecer no último mês, mas ainda disputando espaço com os conteúdos que realçavam os discursos de Bolsonaro e os “avanços” na economia do país, e até conteúdos comparativos entre Bolsonaro e Lula. Nas duas últimas semanas, os posts se concentraram no desgaste da figura do ex-presidente Lula — observa o pesquisador.

Entre os conteúdos com maior engajamento nos perfis evangélicos monitorados, chama atenção um post da ex-ministra e pré-candidata ao Senado Damares Alves (Republicanos) no Instagram, que ficou na 29ª posição no TOP 50 da semana entre 4 e 10 de julho, com 21.931 interações. Ao todo, os pesquisadores analisaram o desempenho de 2.429 posts e 431 vídeos publicados em 295 páginas, canais e perfis. No post, ela chama atenção para uma fala distorcida de Lula.

Mais engajamento: Anitta turbina desempenho de Lula nas redes ao declarar voto, mas petista segue sem superar Bolsonaro

"O Rio de Janeiro não merece que governadores eleitos estejam presos só porque roubaram o povo brasileiro e roubaram dinheiro público", teria dito o ex-presidente. A fala, na verdade, foi distorcida: o petista fez a declaração em 2017 em uma visita a Nova Iguaçu (RJ), e o vídeo que viralizou diversas vezes nas redes foi cortado. Na fala original, Lula chega a defender a prisão de políticos que roubam dinheiro público.

Flávio Conrado ressalta que a estratégia dos evangélicos bolsonaristas é relacionar Lula e o PT a organizações criminosas, como também associar o ex-presidente à imagem de alguém que relativiza casos e corrupção.

— A associação com esquemas de corrupção está presente, mas sobretudo estão focando em relacionar Lula e o PT a organizações criminosas, como o PCC. Como também há uma tentativa de associar Lula a imagem de alguém que relativiza qualquer tipo de associação criminosa.

Além do post de Damares, um vídeo de Silas Malafaia com ataques a Lula foi o segundo mais visto (148.802 visualizações no período pesquisado) e com mais interações (28.650) entre os perfis evangélicos monitorados no Youtube. No vídeo, o líder religioso fala sobre o ato de Lula na Cinelândia. Ele diz que murar a praça foi um vexame, que estava vazio e, por isso, as pesquisas eleitorais são mentirosas. Malafaia também acusa o petista de ter medo do povo, argumento comum entre os bolsonaristas. Ao final da gravação, ele relembra o evento de Lula em Salvador e mostra imagens para comprovar que não teve quórum e critica os eventos do pré-candidato à Presidência em locais fechados.

Homeschooling, "ideologia de gênero" e transfobia

O vídeo transfóbico do pastor Rodrigo Mocellin em defesa do Homeschooling e a explicação do motivo pelo qual Jair Bolsonaro (PL) não encontrou o presidente de Portugal foram alguns dos outros temas que mais repercutiram nas redes entre os evangélicos no período do dia 4 a 10 de julho.

O retorno da defesa do Homeschooling entre os perfis de extrema-direita está associado a aprovação do projeto na Câmara dos Deputados em maio deste ano. Nesta semana, o ensino domiciliar foi amplamente defendido com base no discurso que a "doutrinação esquerdista"estaria ocorrendo nas escolas e, com ela, a ameaça da ideologia de gênero. Um dos perfis chegou a oferecer um curso sobre como educar seu filho em casa, como forma de encorajar famílias a tirarem as crianças da escola.

Guia O GLOBO Eleições: conheça os pré-candidatos ao governo e ao Senado nos estados e quem eles apoiam para presidente

No canal do Youtube do Pastor Rodrigo Mocellin, da igreja Resgatar, um vídeo transfóbico, no qual o líder diz que um homem não pode deixar de ser homem e que as escolas estão doutrinando as crianças. Na gravação, ele exibe falas do vereador de Belo Horizonte Nikolas Ferreira (PL) a favor do Homeschooling, já que até as escolas militares não estariam a salvo da doutrinação da esquerda.

No início do mês, a visita do presidente de Portugal, Marcelo Rabelo de Souza, também movimentou os evangélicos bolsonarista após o presidente cancelar o almoço com o líder português, porque este iria encontrar Lula na véspera. Um vídeo da Pastora Valdirene gerou grande repercussão. Na gravação, ela defende a decisão do chefe do Executivo por Marcelo ser um "esquerdista" e "amigo do Lula". Ela inclusive compara com a história bíblica de Daniel na Babilônia. Na análise, Bolsonaro seria o profeta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos