Permanência de Ceni no Flamengo depende de resultados até o fim do Brasileiro

Diogo Dantas
·2 minuto de leitura

Mesmo se vencer o Inter hoje, 16h, no Maracanã, e conseguir levar o Flamengo ao octacampeonato brasileiro na última rodada, Rogério Ceni tem sua permanência no clube ainda indefinida, em função da alta rejeição dos muros do Ninho do Urubu para fora.

A principal explicação para a resistência ao treinador é ele ir contra o que o torcedor imagina ser a solução dentro de campo em diversos momentos.

O elenco montado pelo Flamengo e a escalação já decorada pela torcida, sobretudo após o título da Libertadores, traz à tona sempre o fantasma do excelente futebol apresentado em 2019 e das escolhas que levaram àquelas conquistas.

Também há contra Rogério o fato de ser ídolo do São Paulo, e de ter estado muito perto de assumir o clube onde brilhou como jogador por vários anos.

Tal cenário, inflamado pelas redes sociais, influencia não apenas a torcida, mas dirigentes e conselheiros do clube que rodeiam o presidente Rodolfo Landim. Sobretudo em ano de eleição, que promete ter o seu “start” na campanha após o Brasileiro.

Embora Ceni não tenha recebido qualquer garantia de permanência, tem diálogo aberto com o presidente, com o vice de futebol Marcos Braz e com o diretor Bruno Spindel, que lhe dão sustentação.

A rejeição existe mais na Gávea e nas redes sociais. Em oposição, há respaldo dos atletas. A relação com o elenco é franca, com trocas em favor da equipe, e entendimento total do trabalho após um período de adaptação.

“É mais de fora pra dentro. Avaliação de dentro do Ninho é boa. Treino, metodologia e vestiário. Resultado vai avalizar isso tudo. Sempre”, disse uma fonte que circula entre a Gávea e o Ninho.

Essa semana, o vice de futebol Marcos Braz deu respaldo a Ceni, mas foi moderado.

— O Rogério se encontra em um bom momento no Flamengo em todos os sentidos. Ele é um bom treinador, a equipe é boa, e estão faltando dois jogos para ver o que vai acontecer — declarou o dirigente, que chegou a dizer em momento anterior de forte pressão que daria seu paraquedas ao técnico.