Personal presa em SP vira ré na Justiça por tentativa de homicídio e fraude

A Justiça ainda determinou a quebra dos sigilos telefônicos da mulher.

A personal trainer presa, em São Paulo, em dezembro após tentar aplicar um golpe em uma loja de jóias e atropelar um segurança de um shopping, virou réu na Justiça por tentativa de homicídio e de fraude eletrônica.

Além de tornar Andrea Luciana Zaude ré, a Justiça ainda determinou a quebra dos sigilos telefônicos da mulher. A denúncia do Ministério Público foi aceita nesta segunda-feira (23).

Personal trainer foi presa após tentativa de golpe em joalheria na Zona Norte de SP - Foto: Divulgação/DEIC
Personal trainer foi presa após tentativa de golpe em joalheria na Zona Norte de SP - Foto: Divulgação/DEIC

Além da tentativa de homicídio, a profissional tem um histórico de suspeitas sobre crimes cometidos desde, ao menos, 2011. Andrea também recebeu R$ 5.250 de Auxílio Emergencial em 16 parcelas.

Andrea está presa desde o dia 26 de dezembro, por estelionato, tentativa de homicídio e desobediência.

A personal foi acusada de tentar aplicar um golpe em uma loja de joias em um shopping na zona norte de São Paulo. Na fuga, ela usou um carro utilitário de luxo Jeep Compass e acabou atingindo um dos seguranças que tentavam impedir sua saída do shopping.

De acordo com a investigação, Andrea fez ao menos onze compras de jóias no estabelecimento por meio de comprovantes falsos de pagamento. A proprietária da loja acionou a segurança do shopping ao perceber a fraude, foi quando a mulher fugiu do local, atropelando o homem. O profissional teve fratura na perna.

Uma equipe de policiais da Rota foi acionada e conseguiu deter a personal após breve fuga. Ela foi detida a cerca de 260 metros do estabelecimento comercial, após ignorar sinais sonoros e luminosos da viatura.

Um pedido de habeas corpus solicitando a soltura de Andrea, foi feito por sua defesa, sob a alegação de que a prisão foi ilegal e de que o flagrante teria sido preparado. O pedido foi negado pela Justiça.

De acordo com a Justiça, Andrea já possui condenação por roubo e estelionato e responde por furto, tendo cometido o delito em questão quando estava em livramento condicional.