Personal trainer morre com facada no coração dada por vizinho irritado com som alto

Personal morreu após ser esfaqueado - Foto: Reprodução
Personal morreu após ser esfaqueado - Foto: Reprodução
  • Personal trainer morreu ao ser esfaqueado no coração por um vizinho

  • Versão do criminoso e da namorada da vítima são bem diferentes

  • Suspeito afirmou que vítima costumava fazer barulho e beber até 4 horas

Um homem de 29 anos morreu na madrugada do último domingo (11), em Taguatinga, Distrito Federal, após ser esfaqueado por um vizinho que estava irritado com o som alto vindo de sua residência.

Lucas Rodrigues Silva tinha 29 anos e era personal trainer. Ele foi atingido no coração pelo suspeito, que confessou o crime à polícia.

Segundo informações do portal Metrópoles, a namorada de Lucas, Beatriz Souza Lopes, de 22 anos, relatou que voltava com ele para casa quando o casal viu o vizinho, identificado como Jaider de Santana Amaral, 47, no portão da residência com facas na mão.

A mulher contou, ainda, que o namorado foi questionar o vizinho sobre o motivo das facas, momento no qual foi atacado. Lucas ainda teria tentado tirar o objeto da mão do criminoso, mas acabou golpeado.

O socorro foi chamado e encontrou a vítima ainda com vida, mas Lucas morreu quando era levado ao hospital.

Versão do suspeito

A Polícia Civil foi chamada e prendeu Jaider, que confessou o crime. O rapaz, porém, apresentou uma versão diferente da dita pela namorada da vítima.

Segundo o criminoso, Lucas mudou para a região há seis meses e, constantemente, costumava "fazer barulho e ficar bebendo" até as 4 horas da manhã.

Na noite do crime, ainda de acordo com a versão, Jaider teria ido levar o lixo para a calçada quando o vizinho e o cunhado saíram com uma barra de ferro para agredi-lo.

O suspeito afirmou que pegou uma faca para "se defender", foi agredido com golpes no rosto e na cabeça e acabou esfaqueando Lucas no momento em que era imobilizado pela vítima.

O autor do crime foi levado para o Hospital Regional de Taguatinga, onde está sob escolta policial. O caso é investigado pela 17ª DP (Taguatinga Norte).