Perto do Corinthians, Diego Aguirre ainda busca trabalho vencedor no futebol brasileiro

·2 minuto de leitura

O São Paulo, que aposta todas as fichas no título paulista deste ano para acabar com o jejum de taças que vem desde 2012, chegou a acreditar que a volta olímpica consagradora aconteceria em 2018, no Campeonato Brasileiro. Era agosto e o time encerrava o primeiro turno na liderança, oito pontos à frente do Palmeiras, que ficaria com a taça. O técnico da equipe era Diego Aguirre, novo alvo do Corinthians para substituir Vagner Mancini.

A conversa com Renato Gaúcho não evoluiu, mas parece que o desfecho pode ser diferente com o treinador uruguaio, desde novembro sem clube, quando pediu demissão do Al Rayyan, do Qatar.

O Corinthians pode ser a quarta equipe brasileira treinada por Aguirre, ex-atacante, que atualmente está na Espanha com a família. Na primeira, o Internacional, o trabalho teve o mesmo traço do São Paulo: o bom começo que não resiste a oscilações. Com o time gaúcho, em 2015, foi campeão estadual e chegou à semifinal da Libertadores. A eliminação foi suficiente para a demissão em agosto, explicada pelo colorado na época pelo nível de atuações do time.

Diferentemente de Renato, que não se mostrou empolgado em se afastar da família no Rio para trabalhar em São Paulo, Aguirre está disposto a cruzar o Oceano Atlântico para assumir o Corinthians. Outro ponto positivo é o fato de estar mais próximo da realidade financeira do Timão do que o ex-técnico do Grêmio.

Seu melhor trabalho foi à frente do Peñarol, quando foi duas vezes campeão uruguaio em duas passagens. Pelo San Lorenzo, da Argentina, passou em branco na temporada de 2017, terminando o Nacional em sétimo.

Em seu último trabalho no Brasil, escalou o São Paulo majoritariamente no 4-2-3-1. Caso repita a a formação no Corinthians, ao ter um jogador mais centralizado na linha de três atrás do centroavante, poderá encontrar um bom espaço para Luan desenvolver seu jogo. Resta saber se apenas a troca de treinador já será suficiente para o time paulista viver dias melhores no Brasileiro e na Copa do Brasil, competições que restaram na temporada.