Peru amplia estado de emergência na capital e em duas regiões devido a protestos

Famílias de vítimas de confrontos no Peru

LIMA (Reuters) - A presidente Dina Boluarte estendeu o estado de emergência a partir de domingo por 30 dias na capital peruana e nas regiões andinas de Puno e Cusco, uma medida que capacita as forças armadas para ajudar a manter a ordem pública diante dos protestos antigovernamentais que já deixaram 42 mortos.

O decreto, emitido e assinado na noite de sábado por Boluarte, especifica que em Puno, onde há uma semana o país viu quase a metade dos mortos nos protestos após violentos confrontos com a polícia, também foi imposto toque de recolher de oito horas por dez dias .

O governo havia declarado estado de emergência por um mês em meados de dezembro, logo após irromperem protestos que se seguiram à destituição e prisão do ex-presidente esquerdista Pedro Castillo, que tentou ilegalmente dissolver o Congresso e reorganizar o Judiciário.

Nas manifestações, exige-se a renúncia de Boluarte, o fechamento do Congresso, a redação de uma nova Constituição e a libertação de Castillo, que cumpre prisão preventiva por 18 meses enquanto o investigam por "rebelião".

Uma missão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) que visitou o Peru dias atrás para conversar com as famílias das vítimas, o governo e organizações civis pediu o fim da violência e o diálogo no país, que, disse a organização, está passando por uma fase "muito complicada".

As manifestações se concentraram nas regiões mineiras do sul do Peru, mas desde os últimos dias milhares de pessoas também saíram às ruas de Lima para protestar contra o governo e exigir o rápido avanço das eleições gerais em busca de uma saída para o a crise.

(Por Marco Aquino)