Peru confirma primeiro caso de cepa britânica do coronavírus

·2 minuto de leitura
Passageiros são examinados ao chegar em Lima devido à nova cepa do coronavírus, 4 de janeiro de 2021

O Peru noticiou nesta sexta-feira (8) o primeiro caso da nova cepa britânica do coronavírus em seu território. Trata-se de uma mulher que compareceu a uma festa de Natal, onde não se descarta que haja mais infectados com a mesma variante.

O caso confirmado corresponde "a uma cidadã peruana, residente no Peru, que esteve em uma reunião de família nos dias que antecederam o Natal", disse a ministra da Saúde, Pilar Mazzetti, em coletiva de imprensa convocada com urgência.

"Todos os presentes (na reunião) são examinados e estamos encontrando alguns casos positivos", acrescentou, sem especificar as nacionalidades ou o número de pessoas afetadas. O caso teria ocorrido em Lima, segundo a agência estatal Andina.

"Esta é a variante europeia, não a sul-africana", esclareceu Mazzetti. "A variante britânica [...] aumenta o contágio em 70%. Se antes uma pessoa infectava duas, agora infectará seis ou sete", afirmou o vice-ministro da Saúde, Luis Suárez.

O Peru passa atualmente por uma segunda onda da pandemia, com um aumento lento, mas constante, de mortes e novas infecções. Na véspera de Natal, ultrapassou um milhão de casos e 38 mil mortes.

O país sul-americano suspendeu a chegada de voos da Europa, de 21 de dezembro até 21 de janeiro, para evitar a propagação do vírus.

Além da restrição de voos, o governo proibiu a entrada de estrangeiros não residentes no Peru que estiveram no Reino Unido após o surgimento dessa cepa do coronavírus.

A capital peruana, que tem cerca de 10 milhões de habitantes, dos quais pelo menos dois milhões vivem em condições precárias, é um dos principais focos de disseminação do vírus.

O Peru anunciou esta semana a compra de 52 milhões de vacinas contra a covid-19: 38 milhões da farmacêutica chinesa Sinopharm e 14 milhões da britânica AstraZeneca.

Um primeiro lote de 1 milhão de doses da Sinopharm deve chegar antes do final de janeiro e será aplicado nos profissionais de saúde.

ljc/gm/ic