Peru reforça vigilância para evitar a entrada da cepa britânica do coronavírus

·1 minuto de leitura
(ARQUIVO) Nesta foto de 15 de julho de 2020, um passageiro chega ao Aeroporto Internacional Jorge Chavez em Lima em 15 de julho de 2020 em meio à pandemia de coronavírus.

O Peru reforçou nesta segunda-feira (4) a vigilância epidemiológica em aeroportos para evitar a entrada da nova cepa britânica do coronavírus através de peruanos e estrangeiros que chegam ao país, informou o Ministério da Saúde (Minsa).

“O objetivo da vigilância é evitar a chegada da variante do Reino Unido ao Peru e não aumentar o número de casos”, disse a jornalistas Luis Ramírez, diretor do Centro Nacional de Epidemiologia do Minsa.

Brigadas de médicos do Minsa identificaram sete passageiros do exterior no Aeroporto Internacional Jorge Chávez com resultado positivo para covid-19 em testes que detectam o vírus desde o primeiro dia de sintomas, usando um amostra de esfregaço nasal do paciente.

"Os passageiros foram isolados e testes moleculares estão sendo feitos para detectar o coronavírus SARS-CoV-2 que os infectou, a fim de descartar a presença de variantes do Reino Unido ou da África do Sul", explicou o ministério.

Ramírez indicou que a partir de segunda-feira todos os viajantes vindos do exterior devem permanecer em quarentena por 14 dias em suas casas, no hospital da Vila Pan-Americana ou em um hotel determinado por eles.

Os 14 dias serão contados a partir do mesmo dia de chegada ao território nacional.

As pessoas que chegam ao Peru devem ter feito testes moleculares com 72 horas de antecedência.

O Peru suspendeu voos da Europa no dia 21 de dezembro e proibiu a entrada de estrangeiros não residentes no país que estiveram no Reino Unido após o aparecimento de uma variante do coronavírus por lá.

O país é um dos mais afetados na região pela pandemia, com mais de 37.800 mortes e 1.019.475 infecções até domingo.

cm/gma/ap