Peru vacinará residentes estrangeiros, majoritariamente venezuelanos

·1 minuto de leitura
Técnicos chineses preparam carregamento inicial para o Peru de 300 mil doses da vacina da Sinopharm contra covid-19, em 5 de fevereiro de 2021, em Pequim

O Peru anunciou nesta segunda-feira (8) que vacinará residentes estrangeiros, principalmente venezuelanos, contra a covid-19.

“Posso assegurar que a vacinação de estrangeiros residentes no Peru está contemplada”, disse a chanceler Elizabeth Astete a um comitê do Congresso peruano por videoconferência.

“Não poderia haver uma diferença, a vacinação dos venezuelanos que residem no Peru até está planejada”, disse Astete após saber que no vizinho Chile a vacinação contra a covid-19 também inclui estrangeiros.

O Peru, que já recebeu mais de 800.000 migrantes venezuelanos desde o agravamento da crise na Venezuela em 2016, começará a vacinar profissionais de saúde nesta terça-feira após a chegada do primeiro lote de 300.000 vacinas chinesas da Sinopharm no domingo.

Por outro lado, o chanceler informou que o Peru assinou um acordo com a farmacêutica norte-americana Pfizer para o fornecimento de 20 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus.

“Temos a garantia de que antes de 1º de julho teríamos um mínimo de 5.750.000 vacinas e isso aumentaria significativamente a partir dessa data para 20 milhões”, afirmou Astete.

No país andino, está em vigor desde 1º de fevereiro uma quarentena em Lima e outras 10 regiões para reduzir as infecções, que aumentaram significativamente desde a última semana de dezembro, com a irrupção de uma segunda onda da pandemia.

O Peru registra 1,1 milhão de infecções confirmadas e mais de 42.000 mortes por covid-19, em uma população de 33 milhões.

Seus hospitais estão saturados com mais de 13.000 pacientes com coronavírus e há uma escassez aguda de oxigênio para tratar os gravemente enfermos.

cm/fj/gm/am