Puigdemont será ouvido amanhã em audiência na Alemanha e cogita pedir asilo

Berlim, 25 mar (EFE).- O ex-presidente da região da Catalunha Carles Puigdemont, detido neste domingo depois de entrar na Alemanha pela Dinamarca, será ouvido amanhã em uma audiência no Tribunal Administrativo de Schleswig, estado federado onde foi capturado.

A audiência é meramente formal. O objetivo é apenas comprovar a identidade do detido e cumprir outros processos burocráticos, segundo a Promotoria-Geral de Schleswig, que decidirá sobre o mandato de prisão decretado pela Justiça da Espanha.

Puigdemont foi preso na manhã de hoje em um posto de gasolina de uma estrada que liga a Alemanha à Dinamarca. De lá, o ex-presidente regional catalão foi legado para uma delegacia de Jagel, cidade que fica a 40 quilômetros de Kiel, capital de Schleswig.

Puigdemont planeja pedir asilo na Alemanha, de acordo com o jornal "Kieler Nachrichten", da cidade de Kiel. No entanto, o próprio jornal indica que as possibilidades de essa solicitação avançar são escassas, já que a ordem europeia de prisão tem prioridade sobre um procedimento de asilo.

Segundo a Promotoria-Geral de Schleswing, será decidido amanhã se Puigdemont ficará preso. Caso isso ocorra ele será levado a um presídio para aguardar uma definição sobre o pedido de extradição.

Fontes consultadas pela Agência Efe disseram que a decisão compete apenas ao Tribunal Superior de Schleswig-Holstein. A Promotoria-Geral do estado federado é quem teria competência para entregar o ex-presidente catalão às autoridades espanholas.

O prazo máximo para decidir e cumprir a extradição é de 60 dias a partir da prisão, segundo as fontes, independentemente dos recursos que possam ser apresentados durante o processo.

A prisão de Puigdemont ocorreu graças à cooperação das autoridades de Alemanha e Espanha. Agora, a expectativa é que a análise do pedido de extradição demore 45 dias, abaixo do limite máximo estabelecido pela lei para esse tipo de caso.

O ex-presidente regional da Catalunha, foragido da Justiça da Espanha, deixou a Finlândia na noite de ontem, onde tinha chegado para realizar palestras.

Quando soube que um juiz do Tribunal Supremo da Espanha decretou uma ordem de prisão europeia contra si, enviando o pedido para a Finlândia, Puigdemont deixou o país em direção à Alemanha, onde acabou capturado pouco depois da fronteira. EFE