Pesquisa Datafolha: Lula chega à eleição com 52% contra 48% de Bolsonaro em votos válidos

Um dia antes dos brasileiros irem às urnas, quem aparece à frente na pesquisa de intenção de votos para presidente realizada pelo Datafolha é o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva. Com 52% dos votos válidos o ex-presidente tem uma vantagem de quatro pontos sobre Jair Bolsonaro, do PL. O atual presidente tem 48% das intenções de votos válidos dos eleitores ouvidos pelo instituto. Em votos totais, a vantagem de Lula equivale a 49% contra 45% de Bolsonaro. Como a margem de erro do Datafolha é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, os dois estão empatados no limite da margem de erro.

Em relação à última pesquisa, nenhum dos dois candidatos variou além da margem de erro que tinham na última pesquisa, realizada na quinta-feira, quando Lula tinha 49% das intenções de votos totais, exatamente o mesmo percentual da semana passada, e Bolsonaro tinha 44%, um ponto a menos do que registrado nesta pesquisa. Além deles, 4% responderam que irão votar em branco ou em nulo e outros 2% dizem que ainda não sabem em quem votar.

No Ipec, também divulgado neste sábado, o ex-presidente Lula também lidera. Na pesquisa divulgada pelo instituto, ele tem 54% dos votos válidos contra 46% de Bolsonaro.

O Datafolha ouviu 8320 eleitores em todo o Brasil entre os dias 28 e 29 de outubro. A pesquisa foi contratada pela TV Globo e pelo jornal "Folha de S.Paulo". A pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos e um intervalo de confiança de 95%. O levantamento está registrado sob o número BR-08297/2022.

Segundo o Datafolha, metade do eleitorado diz que não votaria em Bolsonaro de jeito nenhum, enquanto 46% dizem que não escolheriam o petista de forma alguma. Em relação à última pesquisa, Bolsonaro manteve o mesmo índice enquanto a rejeição de Lula oscilou um ponto para cima.

Nesta sexta-feira, Lula e Bolsonaro participaram do último debate, realizado pela TV Globo. No encontro, discutiram temas como economia, meio ambiente e salário mínimo. O resultado aponta para uma eleição que pode ser uma das mais disputadas da história.