Pesquisa Datafolha: Metade são favoráveis as cotas raciais em universidades públicas

Lei das Cotas Raciais completa 10 anos em 2022. (Foto: Getty Creative)
Lei das Cotas Raciais completa 10 anos em 2022. (Foto: Getty Creative)

Metade da população se diz favorável à existência de cotas raciais nas universidades públicas. De acordo com pesquisa Datafolha, o apoio é ainda maior (60%) entre as pessoas com filhos em escolas particulares —que não são abarcadas pela ação afirmativa.

Pretos (53%) e pardos (52%) também se mostram mais favoráveis que brancos (50%). O levantamento também revelou que quanto maior a renda, a escolaridade e menor a idade da pessoa, maior é o apoio às cotas. A parcela dos entrevistados que se dizem contrários à agenda educacional de cotas foi de 34%. Outros 3% se mostraram indiferentes e 12% não souberam responder.

A pesquisa Datafolha foi feita em março em parceria com o Cesop-Unicamp sob a coordenação da Ação Educativa e do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária). O estudo mapeia várias agendas educacionais e não traz perguntas sobre as cotas sociais.

O levantamento ouviu 2.090 pessoas a partir de 16 anos em 130 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Cotas

Em 2022, o país comemora 10 anos da aprovação da Lei de Cotas (Lei 12.711/2012). Entretanto, elas foram implementadas de forma escalonada até chegar, em 2016, à reserva de 50% das vagas para a universidade pública. O regramento define que haja separação de vagas para pretos, pardos e indígenas de acordo com a proporção da população de cada estado. Há ainda o critério de renda. A lei prevê revisão do programa de acesso para este ano, dez anos após seu início.