2022: Pesquisa mostra Huck ganhando de Haddad no 2º turno

Luciano Huck não está filiado a partido algum, mas já dá sinais de estar disposto a concorrer (Foto: REUTERS/Leonardo Benassatto)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • A simulação prevê empate entre Huck e Bolsonaro

  • De acordo com a pesquisa, Bolsonaro só perderia de Moro

Uma pesquisa de intenção de voto realizada pela FSP em parceria com a revista Veja prevê um cenário hipotético nas eleições presidenciais de 2022 em que o apresentador de televisão Luciano Huck venceria de Fernando Haddad (PT) num eventual segundo turno, mas empataria com Jair Bolsonaro (PSL).

Na simulação, Huck derrotaria Haddad com 40% dos votos, enquanto o petista ficaria com 29%. Numa disputa contra o atual presidente, Huck e Bolsonaro ficariam empatados pela margem de erro de 2 pontos para cima ou para baixo: o capitão reformado com 43% dos votos e o apresentador com 39%.

Leia também

Luciano Huck não é filiado a nenhum partido, e por enquanto não fez nenhum tipo de anúncio sobre uma possível candidatura. Ele milita pelos movimentos RenovaBR e Agora!, que se dizem “suprapartidários”. No entanto, vem conversando com líderes de diversas siglas há algum tempo, e até já sinalizou estar disposto a sair da Rede Globo para concorrer. A última especulação é de que ele iria para o Cidadania.

Outros cenários analisados pela pesquisa realizada entre 11 e 14 de outubro envolvem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), inelegível desde janeiro de 2018 por conta da condenação em segunda instância no caso do tríplex no Guarujá. Ele continua sendo uma opção forte à esquerda – o pedetista Ciro Gomes mais uma vez sequer chegaria ao segundo turno.

No entanto, Lula também não venceria de Bolsonaro nesse hipotético segundo turno (38% a 46%). O único candidato capaz de derrotar o atual presidente seria o ministro da Justiça, Sergio Moro, que ficaria com 38% dos votos contra os 34% de Bolsonaro.

Assim como Ciro Gomes, o atual governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não chegaria ao segundo turno. Nas três simulações de primeiro turno feitas pela FSP, o tucano não passou dos 5% de votos. Mesmo que conseguisse um segundo turno contra Bolsonaro, não venceria: o presidente teria 46% dos votos, contra 26% do governador.