Pesquisa eleitoral: 7 em 10 brasileiros teme sofrer violência política

Pesquisa eleitoral foi encomendado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pela Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade). (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
Pesquisa eleitoral foi encomendado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pela Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade). (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
  • Pesquisa eleitoral Datafolha foi divulgada nesta quinta-feira

  • 3,2% dos entrevistados afirmam que sofreram ameaças por posição política no último mês

  • Maioria é contra investigadas golpistas

O novo levantamento do Datafolha, encomendado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pela Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), mostrou que sete em cada dez brasileiros temem sofrerem agressão física por suas posições políticas.

O estudo "Violência e Democracia: Panorama Brasileiro Pré-Eleições de 2022" foi divulgado nesta quinta-feira (15). Os pesquisadores ouviram 2.100 pessoas em todo o país entre 3 e 13 de agosto.

Segundo o levantamento, 67,5% dos entrevistados disseram temer serem vítimas de agressões. Além disso, 3,2% afirmam que já foram vítimas de ameaças no último mês. Em relação à população brasileira, representa 5,3 milhões de pessoas.

Para 88,1%, deve ser empossado em 1º de janeiro de 2023 como Presidente da República aquele que ganhar nas urnas e for reconhecido pela Justiça, ou seja, rejeitam investidas golpistas. Além disso, 62% acreditam que "é importante para a democracia que os tribunais sejam capazes de impedir o governo de agir além de sua autoridade".

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

A pesquisa também questionou sobre a percepção sobre armas. Para 66,4% dos entrevistados, armar a população não irá melhorar a situação da segurança.

Outro tema levantado foi a questão do racismo, que para 83,4% dos entrevistados é presente do Brasil em 2022. Em 2017, o mesmo levantamento apontou que 70% da população tinha essa percepção.

Pesquisas eleitorais, como saber em quais posso confiar?

Em meio a essa diversidade de levantamentos existentes no Brasil, muitos eleitores não sabem em quais resultados acreditar.

No primeiro dia do ano passou a ser obrigatório (leia a resolução clicando aqui)o registro junto à Justiça Eleitoral de qualquer pesquisa pública relacionada às eleições para presidente e governador. Porém, se uma pesquisa está registrada não necessariamente significa que ela será confiável, isso porque não há nenhum tipo de fiscalização prévia sobre a metodologia desses levantamentos.

Atualmente, a confiabilidade das pesquisas é garantida no Brasil por meio da transparência. São algumas das informações que devem ser cadastradas junto à Justiça Eleitoral, tornando as pesquisas passíveis de contestação, caso qualquer irregularidade seja encontrada posteriormente:

  • Nome do contratante

  • Valor cobrado pela pesquisa

  • Origem dos recursos investidos

  • Metodologia

  • Período de realização

  • Sistema de fiscalização da coleta de dados

  • Tipo de questionário aplicado

Para identificar os atributos que mais merecem atenção nas pesquisas eleitorais, a reportagem do Yahoo! Notícias conversou com alguns especialistas no assunto e separou uma lista com os pontos mais importantes, confira aqui.

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)