Pesquisa identifica célula neonazista com até 14 membros em Niterói

Leonardo Sodré
Guarda junto a materiais apreendidos em 2013, quando o grupo foi fundado.

NITERÓI - A atuação de uma célula do grupo supremacista racial Ku Klux Klan em Niterói, com até 14 membros, foi identificada numa pesquisa desenvolvida pela doutora em antropologia social da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Adriana Dias, que investigou 334 grupos de inspiração nazista em atividade no país. Os detalhes e números completos da investigação, que serão publicados em livro ainda sem data a ser lançado, mostram que o grupo se formou há cerca de seis anos e ainda hoje usa fóruns na internet e na deep web para cooptar membros.

A fundação da organização em Niterói, segundo a pesquisa, ocorreu no mesmo período que cinco homens agrediram um nordestino com um taco de beisebol na Praça Araribóia, em 2013. Eles tinham tatuagens com símbolos nazistas.

— Nessa época, (eles) ainda não tinham organizado de fato a célula Klan. Em Niterói havia apenas duas ou três pessoas da célula hitlerista que se mobilizaram no período anterior à Copa do Mundo e às Olimpíadas porque pretendiam se fortalecer do que consideravam uma ameaça, que era a presença de nordestinos, negros e imigrantes de outros países vindos para os jogos. Eles se incomodaram muito também com a Paraolímpiada, por conta dos deficientes físicos, que eles consideram o lixo humano — conta Adriana Dias.

A antropóloga, que estuda o discurso neonazista e supremacista branco nas redes há 16 anos, monitora os grupos através de técnicas de programação para identificar quem baixa grande quantidade de material na internet, participa de fóruns e redes sociais voltadas ao tema ou que são líderes que propagam o conteúdo na deep web. Sua investigação identificou até 17 movimentos no país, entre hitleristas, supremacistas/separatistas, de negação do holocausto e apenas três seções da Ku Klux Klan — considerado o mais radical — uma em Niterói e duas em Blumenau (SC).

Pena em liberdade

Do grupo preso em 2013 na Praça Araibóia — formado por Thiago Borges Pita, com 28 anos na época, Carlos Luiz Bastos Neto com 33, Caio Souza Prado, 23, Davi Ribeiro Morais, 39, e Philipe Ferreira Ferro Lima, 21 — segundo declarou a Justiça, nenhum deles reside mais em Niterói. Eles responderam por crimes de intolerância de cor, raça, etnia, religião e origem; e fabricação, comercialização ou veiculação de símbolos, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou a gamada para fins de divulgação do nazismo; além de lesão corporal, formação de quadrilha e corrupção de menores. Eles foram condenados a três anos e dez dias, em agosto, mas cumprem pena em liberdade após pagamento de multa.

Dois anos depois da prisão, a célula de Niterói, já denominada Imperial Klans of America Brasil, espalhou cartazes com mensagens de intolerância racial, religiosa e sexual coladas em postes da Praça Juscelino Kubitschek, no Caminho Niemeyer, com ameaças a muçulmanos, homossexuais e judeus, entre outros grupos: “Comunista, gay, judeu, muçulmano, negro, antifa, traficante, pedófilo, anarquista. Estamos de olho em você”, diziam os cartazes.

— Aquilo foi o trabalho de duas ou três pessoas da célula hitlerista que virou uma célula de Klan. Eles organizaram tudo e discutiram a repercussão da ação num fórum que pude acompanhar. Eles começaram a organizar a formação da Klan nas Olimpíadas e escolheram a Klan Imperial, porque achavam que não havia nenhuma célula do tipo no país e seriam a primeira, mas já haviam outras. Atualmente, eles se comunicam mais pela deep web — conta Adriana Dias.

A Polícia Civil não respondeu se tem alguma investigação em curso sobre a atuação de grupos neonazistas em Niterói e a disseminação, por eles, de conteúdo na internet, o que é considerado crime.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER ( OGlobo_Bairros )