Pesquisa indica disputa apertada entre candidatos à Presidência do Uruguai

SYLVIA COLOMBO

MONTEVIDÉU, URUGUAI (FOLHAPRESS) - Uma das consultoras mais confiáveis do Uruguai, a Cifra, lançou sua penúltima pesquisa antes do segundo turno das eleições presidenciais do país, marcada para o próximo domingo (24).

O resultado aponta uma diferença estreita entre o líder, o centro-direitista Luis Lacalle Pou (partido Nacional), com 47% das intenções de voto, e o candidato do governo, o centro-esquerdista Daniel Martínez (Frente Ampla), que tem 42%. Entre brancos e nulos, o número é de 5%, enquanto 6% ainda estão indecisos. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Uma pesquisa anterior, divulgada em 5 de novembro, mostrou os mesmos números: Lacalle Pou com 47% e Martínez com 42%. No entanto, ela havia sido feita por um instituto diferente, o Equipos.

No primeiro turno, Martínez teve 39% dos votos e Lacalle Pou, 28%. 

Enquanto Martínez, um engenheiro de 62 anos, propõe a continuidade das políticas da Frente Ampla, que governa desde 2005 e busca o quarto mandato, Lacalle Pou, um advogado de 46, sugere mudanças em gastos públicos, comércio e política externa.

É sobre os indecisos que ambos os candidatos estão focando suas esperanças. Porém, como a Cifra indica, esse voto indeciso é mais rural do que urbano. Com isso, o partido Nacional leva vantagem, porque é no campo que costuma ser mais popular, enquanto o Frente Ampla tem suas bases eleitorais nas cidades.

Na quinta-feira (21), data-limite para a divulgação de pesquisas, os principais institutos lançarão novas sondagens, com a possibilidade de haver menos indefinidos.

Entre os seguidores de Lacalle Pou, o clima é de já ganhou. Assim se comportam seus apoiadores nos comícios, já o apresentando como o próximo presidente do Uruguai. O candidato, porém, pede cautela.

"Não podemos dizer que tudo está terminado. Sabemos que ganhar leva muito tempo, mas para perder basta um instante", disse, em um ato em Soriano.

E acrescentou que gostaria de ver, em seu encerramento de campanha, bandeiras distintas entre o público. "Não quero só bandeiras do Uruguai e do meu partido, quero a dos colorados (partido colorado), as das organizações sociais e as de todos os uruguaios".

Para o cientista político Antonio Cardarello, apesar de a vantagem de Lacalle Pou, neste momento, ser bastante clara, a aposta de Martínez de dialogar diretamente com eleitores colorados e do partido de direita Cabildo Aberto pode render resultados, "pois, por mais que ideologicamente esses partidos sejam diferentes da Frente Ampla, sempre houve votantes dessas agrupações que no fim preferiram votar na Frente Ampla."

Apesar do foco voltado a esses nichos de eleitores, Martínez tem tido um discurso democrático supra-resultado. "Me emociona que as pessoas participem, isso é o que vale mais do que tudo. Ocorra o que ocorra."