Pesquisa mostra que contágio por coronavírus aumenta quando há mais pólen no ar

Miguel Ángel Criado, do El País
·5 minuto de leitura

RIO — A concentração de pólen no ar parece ter relação com a disseminação do coronavírus: quanto mais grãos em suspensão, maior o número de infecções. A conclusão é de um estudo realizado entre março e abril do ano passado, mas que se baseia em dados de quase 250 estações espalhadas por todo o planeta, várias delas na Espanha. A explicação seria a de que o material polínico enfraquece a primeira linha de defesa contra os vírus respiratórios. E isso ocorre independentemente de a pessoa ser alérgica ou não.

– Quando o pólen aumenta, aumenta o contágio. E quando a concentração de pólen cai, cai o contágio – diz María del Mar Trigo, especialista em botânica e fisiologia vegetal da Universidade de Málaga e coautora do estudo.

Os pesquisadores compararam a quantidade diária de grãos de 248 estações aerobiológicas em 31 países com o número de infecções na área mais próxima. Essas estações captam as partículas presentes no ar, sejam elas pólen, bactérias ou poeira inorgânica. Depois de coletados, os materiais são identificados em laboratório.

A correlação entre pólen e o contágio pelo coronavírus foi verificada em quase todas as áreas estudadas, a maioria delas na Europa. O estudo dá até percentuais concretos: para cada aumento de cem grãos por metro cúbico de ar, os pesquisadores observaram um aumento de 4% no número de casos após três ou quatro dias.

María del Mar Trigo destaca a correlação de aumento e queda (de pólen no ar e de casos), que é quase universal. Estavam fora desse padrão apenas as dez estações participantes localizadas no Hemisfério Sul, onde era outono (estação com menos pólen em circulação) quando foram feitas as medições para o estudo, recém-publicado na revista científica PNAS.

O objetivo inicial do trabalho era coletar mais dados pelo mundo, mas em muitos pontos os pesquisadores tiveram de interromper a coleta por causa da pandemia e das medidas de isolamento. Alguns levaram microscópios para casa para determinar a concentração e o tipo de pólen coletado.

Athanasios Damialis, chefe de aerobiologia da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha, é o principal destinatário dos dados de concentração de pólen enviados por mais de uma centena de colegas de todo o mundo. Para ele, embora o confinamento tenha sido um retrocesso, foi possível introduzi-lo como variável no estudo e focar no momento em que coincidiam os dois fenômenos de interesse dos cientistas: a primeira onda da pandemia no mundo e a concentração de pólen.

Para Damialis, o fim do confinamento, a reabertura de fronteiras e das escolas teriam obscurecido a influência do pólen. Além disso, em áreas mediterrâneas, como a maior parte da Espanha, “as altas temperaturas e a seca podem eliminar o efeito do vírus, independentemente de outros fatores, como o pólen”. No final do verão e início do outono ocorreu a segunda onda da pandemia, impulsionada pelo turismo, a volta às aulas ou a chegada do frio. E é o momento da menor concentração relativa de pólen. Há também outro detalhe importante: as máscaras. Como uma defesa eficaz que os alergistas vêm recomendando há anos, seu uso generalizado após a primeira onda estaria distorcendo o efeito do pólen. Por fim, os autores do estudo lembram que o fator chave sempre foi o contato interpessoal, a concentração de pólen é um elemento secundário.

Mesmo assim, colegas do Hemisfério Sul enviaram ao grupo de Damialis dados do início da primavera austral. Eles não foram incluídos na redação final do estudo, mas lá também viram a conexão entre o pólen e o coronavírus. Além disso, agora estão verificando os dados de alguns locais selecionados, como a área de Augsburg, na Alemanha, áreas da Holanda e também de climas mediterrâneos, como Salónica, na Grécia.

— Vemos em todos esses lugares que, de fevereiro ao último domingo, há uma correlação positiva consistente e significativa entre o pólen e o número de infecções — disse Damialis.

Por quê? Isso é o que eles tentam responder no restante do estudo. Eles apostam na possibilidade de o pólen enfraquecer o sistema imunológico, facilitando o funcionamento do coronavírus. Para apoiar essa tese (no trabalho, não há um experimento nesse sentido), os pesquisadores recuperam os últimos ensaios feitos por alguns dos coautores do estudo. Em setembro de 2019, por exemplo, a cientista Stefanie Gilles publicou um artigo científico sobre a relação entre a concentração de pólen e dois vírus respiratórios, os rinovírus (causadores do resfriado comum) e o vírus sincicial respiratório.

O trabalho de Gilles, publicado na revista Allergy, apoiou-se em três pilares. De um lado, o acompanhamento de 20 mil pessoas durante três anos, medindo sua exposição ao pólen e os casos de rinovírus. Do outro lado, expuseram as células epiteliais das vias aéreas humanas (das paredes internas) primeiro a três tipos de pólen e depois ao rinovírus. Em um terceiro experimento, com camundongos, eles os envolveram com pólen e os infectaram com o vírus sincicial respiratório. Descobriram que tanto as células humanas quanto a dos camundongos aumentaram a replicação viral.

— O pólen é conhecido principalmente como um alérgeno, mas o que investigamos é como ele também afeta indivíduos não alérgicos. Sabemos, por exemplo, que se borrifarmos extrato de pólen de bétula no nariz de pessoas não alérgicas, muitos genes envolvidos na defesa contra os vírus são desregulados, o que implica na diminuição da resposta imune antiviral — explica Gilles.

Os pesquisadores ainda não sabem qual componente do pólen é a causa, mas sabem “que não é o mesmo que causa a alergia”, como diz Gilles. Esse elemento desconhecido “causa uma menor produção de interferons antivirais durante uma infecção viral”. Eles também não sabem se o que observaram em dois vírus respiratórios seria válido para o coronavírus, outro vírus respiratório.

O imunologista do Hospital Universitário de Canarias, Yvelise Barrios, destaca o papel desses interferons:

— Eles dão o primeiro sinal de alarme, recrutando também outros elementos do sistema imunológico inato.

Barrios, membro da Sociedade Espanhola de Imunologia, acrescenta que uma menor produção dessas proteínas “impede que o sistema imunológico perceba e gere uma resposta em tempo”. Mas, esclarece ele, os estudos sobre a conexão entre o pólen e essa desregulação são tão recentes que pouco se sabe a respeito.