Pesquisadora francesa detida no Irã encerra greve de fome

Fotografia de 2012 de Fariba Adelkhah

A pesquisadora franco-iraniana Fariba Adelkhah, detida desde junho no Irã, encerrou a greve de fome que realizava desde 24 de dezembro para protestar contra sua prisão, anunciou seu advogado.

"Adelkhah respondeu ao pedido por escrito de ativistas políticos e da sociedade civil e encerrou sua greve de fome às 12h00 de hoje", disse seu advogado Said Dehghan à AFP.

O comitê de apoio da pesquisadora recentemente descreveu seu estado de saúde como "alarmante" e pediu que ela terminasse a greve de fome.

Fariba Adelkhah, antropóloga franco-iraniana, e seu parceiro Roland Marchal, especialista do Chifre da África, que veio encontrá-la para uma visita particular, foram presos pela Guarda Revolucionária, a força de elite do regime, em 5 de junho de 2019 no aeroporto de Teerã.

Desde então, são processados por ameaças à "segurança nacional" e "propaganda" contra o governo, acusações falsas de acordo com seu comitê de apoio.

Seu julgamento pode começar em breve em Teerã.