Pesquisadores desenvolvem filtro de pornografia que reconhece sons de sexo

Fecha o cerco contra a pornografia? Por Daniel Pavani Pesquisadores do Instituto Avançado Coreano de Ciência e Tecnologia, na Coreia do Sul, estão desenvolvendo um software de análise de sinal que será capaz de reconhecer os sons característicos de vídeos pornográficos, possibilitando a criação de filtros mais eficientes. Não que seja muito difícil de identificar os sons de um vídeo pornográfico, mas, assim como destaca o site New Scientist, é bastante impressionante ver um computador fazer isso. Os engenheiros elétricos Myung Jung Kim e Hoiri Kim utilizaram uma técnica de processamento de sinais para criar um conjunto de espectrogramas para os sons de sexo e outros sons, como músicas, falas, notícias e filmes. Após criar esta espécie de biblioteca, os pesquisadores fizeram testes estatísticos, identificando um resultado de 93% de acerto no reconhecimento dos sons pornográficos. Os pesquisadores explicam que os softwares de reconhecimento de imagens pornográficas até funcionam, mas acaba sendo bastante difícil a distinção entre o que seriam imagens de corpos nus ou de grandes áreas com coloração da cor da pele. Porém, Myung Jung Kim afirma que analisando gritos e gemidos característicos, o reconhecimento é mais fácil. Entretanto, Richard Harvey, cientista da computação da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, trabalha com a detecção de pornografia por imagens e afirma não ser verdade que o método dos sul-coreanos seja sempre melhor. Ele cita como exemplo a cena do filme Harry e Sally (When Harry met Sally, no título original de 1989) em que Sally, interpretada por Meg Ryan, simula os sons de um orgasmo em uma lachonete. Harvey afirma que o método sonoro identificaria rapidamente a cena como pornográfica e o visual, não. Seja como for, frente aos perigos, ou melhor, constrangimentos, que conteúdos pornográficos podem trazer (goo.gl/xZfYl), é de se imaginar que um gadget com este tipo de tecnologia poderá ter um bom mercado. Vale lembrar que algumas empresas inclusive já produzem pen drives capazes de rastrear pornografia nos computadores dos funcionários, por exemplo (goo.gl/gfXSK). Mais notícias em dpavani.geek.com.br.