Pesquisadores identificam proteína que ajuda o câncer de pele a se espalhar pelo corpo

O melanoma é um tipo extremamente agressivo de câncer de pele. Isso porque ele tem alto risco de provocar metástase, quando o tumor se espalha para outros órgãos. Uma pesquisa liderada pela Universidade Queen Mary de Londres, pela King's College London e pelo Instituto Francis Crick identificou a proteína responsável por dar às células cancerígenas do melanoma a capacidade de se espalhar pelo corpo.

Jovem sente dores no estômago e descobre que só tinha 16% de coração: ‘Estava parando de funcionar’

Câncer: vacina experimental destrói tumores cerebrais existentes e previne recorrência

A disseminação do câncer ou "metástase" é a principal causa de mortes relacionadas ao câncer. Embora a metástase tenha sido extensivamente estudada, os mecanismos pelos quais ela ocorre são pouco compreendidos. A descoberta, publicada na revista científica Nature Cell Biology, lança nova luz sobre um mecanismo de progressão do melanoma e podem abrir caminho para o desenvolvimento de novas formas de combater a propagação da doença.

Naturalmente, o câncer encontra barreiras para se propagar no organismo humano. Para entender como um tipo agressivo de melanoma consegue driblar essas barreiras, a equipe fez experimentos em laboratório com células de melanoma agressivas e menos agressivas.

Barriga inchada? Postura de ioga promete reduzir abdômen com apenas 10 minutos por dia

Os pesquisadores descobriram que quando havia altos níveis de uma proteína chamada LAP1 nas células, o prognóstico dos pacientes era pior. Quando a produção dessa proteína foi bloqueada, as células que eram mais agressivas ficaram com uma capacidade menor de disseminação através dos tecidos.

Eles descobriram que a LAP1 é uma proteína dá às células cancerígenas a capacidade de mudar de forma em seu núcleo. Isso permite que o câncer drible com mais facilidade os obstáculos naturais do organismo migre e se espalhe com mais facilidade por todo o corpo.

Veja opções de treino: Como emagrecer caminhando ou correndo na esteira

"Mostramos que a LAP1 é um regulador chave da agressividade do melanoma em modelos laboratoriais e de pacientes", disse ictoria Sanz-Moreno, professora Queen Mary's Barts Cancer Institute.

O próximo passo é descobrir mecanismos que podem ser transformados em medicamentos para atuar diretamente na LAP1 de forma direta, algo que ainda não existe no mercado. Além disso, a equipe planeja investigar se a presença dessa proteína em outras células tumorais interfere no processo de disseminação do câncer.