Pesquisadores israelenses reproduzem a 'cerveja dos faraós'

Pedaços de ânforas antigas exibidas em 22 de maio de 2019 em Jerusalém

Pesquisadores israelenses anunciaram nesta quarta-feira (22) ter conseguido extrair levedura de jarros antigos para fabricar uma cerveja similar à que os faraós bebiam há mais de 3.000 anos.

Esta cerveja, com um teor alcoólico de 6% e um sabor parecido ao de uma de trigo, foi apresentada aos jornalistas, assim como um hidromel com 14% de álcool.

No balcão de um bar em Jerusalém Ocidental, os jornalistas e pesquisadores degustaram em copos de plástico uma cerveja clara, que ainda não tem nome oficial.

Esta é a primeira vez que se recria uma cerveja utilizando levedura antiga, afirmaram pesquisadores da Autoridade de antiguidades israelenses e de três universidades, que trabalharam neste projeto.

"Quando obtivemos esta cerveja, nos sentamos em volta de uma mesa, bebemos-a e brindamos", afirmou Aren Maeir, arqueólogo da universidade de Bar-Ilan.

"Então eu disse, tudo vai ficar bem ou todos estaremos mortos em cinco minutos. Sobrevivemos e estamos aqui para contar esta história", acrescentou Maeir.

A cerveja degustada nesta quarta-feira foi fabricada com levedura que data de cerca de 3.000 anos atrás, precisaram os pesquisadores. Mas eles também encontraram levedura de 5.000 anos atrás, segundo a Autoridade de antiguidades.

No total, puderam extrair seis tipos de leveduras diferentes de restos de jarros encontrados em sítios arqueológicos. Uma delas foi encontrada no centro de Israel, perto do lugar no qual, segundo a Bíblia, ocorreu o combate entre o gigante Golias e o futuro rei David.

Outros sítios se encontravam no deserto do Neguev, que na época dos faraós fazia parte do Egito, assim como em Tel Aviv e na região de Jerusalém.