Pesquisam buscam identificar papel da 'fome emocional' na obesidade

SAN DIEGO, EUA (FOLHAPRESS) - Pesquisas têm buscado identificar regiões e redes cerebrais que moldam a escolha alimentar e o autocontrole, consideradas fundamentais para entender os mecanismos que levam à obesidade e desenvolver novas abordagens de tratamento.

Uma das linhas de estudo buscam entender o papel que as emoções desempenham em nossos hábitos alimentares e como esses mecanismos se interagem.

É o que se chama de alimentação emocional, ou fome emocional, que pode ser definida como a tendência de comer para aliviar o estresse em resposta a emoções negativas, muitas vezes ignorando os sinais internos de saciedade.

O tema foi discutido em um simpósio durante a Obesity Week, maior conferência mundial de obesidade que terminou nesta sexta (5) em San Diego (EUA).

Altas pontuações em escores de alimentação emocional estão associadas a obesidade, menor perda de peso em intervenções (inclusive a cirurgia bariátrica) e recuperação do peso após a perda.

As pontuações de alimentação emocional também estão relacionadas a alterações cerebrais em áreas de processamento de recompensa.

Uma nova pesquisa sugere que a alimentação emocional possa explicar parcialmente por que algumas pessoas não perdem peso corporal mesmo com as medicações mais modernas, como um novo tipo de tratamento contra diabetes tipo 2 e obesidade, os agonistas do receptor do GLP-1.

Os achados do novo estudo, que usou ressonância magnética em pessoas com obesidade e diabetes tipo 2, foram publicados recentemente no periódico Psychoneuroendocrinology.

Segundo Charlotte van Ruiten, médica e pesquisadora do centro de diabetes da Universidade de Amsterdã, na Holanda, estima-se que cerca de 60% das pessoas com obesidade também façam uma alimentação emocional, com maior prevalência entre mulheres.

Ela explica que indivíduos com pontuações de base mais altas foram menos sensíveis aos efeitos centrais do tratamento com um agonista do receptor do GLP-1. Em situações como essa, afirma a médica, deve ser rastreado o comportamento alimentar, incluindo a alimentação emocional.

Há diversas ferramentas disponíveis, como questionários que mensuram o risco, para diagnóstico, além de processos terapêuticos que enfatizem as habilidades de alimentação consciente. "O treinamento dessas capacidades demonstrou estar associado à melhora da desregulação emocional e à menor ocorrência de um comportamento impulsivo relacionado ao apetite", diz a médica.

Alguns trabalhos já mapearam os circuitos de saciedade até a amígdala central do cérebro, que também controla o medo, a dor e outras emoções. Porém, a complexidade dos neurônios nessa parte do cérebro torna-se difícil identificar para onde o sinal vai depois disso.

Uma pesquisa recente, liderada pela Universidade do Arizona (EUA), mostrou que após a amígdala, o sinal se dirige aos neurônios localizados em uma região do cérebro chamada núcleo parasubtalâmico, ou PSTh, responsável pela sensação de saciedade.

Mesmo identificando o papel do PSTh, os pesquisadores do Arizona reforçam que esse núcleo é apenas uma peça em um quebra-cabeça maior.

Ou seja, dificilmente a sensação de saciedade é mediada por uma única região do cérebro. É mais provável que várias áreas do cérebro trabalhem juntas.

Outro trabalho com foco na região da amígdala investigou os níveis de atividade neural ligados ao consumo de alimentos gordurosos e açucarados.

Eles analisaram o efeito de um grupo específico de neurônios no consumo e gasto de energia, testando em células cerebrais "ligadas" e "desligadas" de camundongos geneticamente modificados.

Após uma restrição alimentar, a ideia foi observar a atividade neural em resposta à ingestão de ração regular ou uma dieta rica em gordura.

Depois da dieta gordurosa, os pesquisadores notaram níveis mais altos de atividade entre certos neurônios em uma parte da amígdala conhecida como núcleo intersticial do membro posterior da comissura anterior (Ipac).

"[É] difícil saber como isso se traduzirá em humanos, mas existem muitos outros estudos que ligam os mecanismos da amígdala a excessos e obesidade. Definitivamente, torna-se uma estrutura realmente interessante para se concentrar", disse Alessandro Furlan, professor de neurociência do Karolinska Institutet, Suécia, um dos autores do estudo.

A obesidade é tida hoje como uma doença multifatorial e complexa. Inúmeros estudos já demonstraram que ela não é facilmente tratada com restrição calórica e rotina de exercícios.

Quando manejada dessa maneira, é comum o metabolismo do corpo contrabalançar e restaura o peso corporal anterior.

Por isso, há uma busca por diagnósticos e intervenções mais precoces, para evitar que a pessoa sofra os graves efeitos da obesidade, como doenças cardiovasculares, osteoartrite e câncer.

Hoje já se sabe que há pelo menos dois tipos de obesidade: a monogênica, determinada por uma mutação gênica específica, e a poligênica, relacionada a uma combinação de fatores genéticos e ambientais.

A maioria desses genes está envolvida na regulação nervosa central do peso corporal (genes da via leptina-melanocortina).

De acordo com artigo publicado na revista The Lancet, é importante identificar crianças em risco de obesidade grave por meio da vigilância dos dados de crescimento individual e de testes genéticos.

A esperança é que o tratamento da obesidade seja mais personalizado, o que se chama hoje de medicina de precisão.

"O diagnóstico precoce e correto da obesidade precoce levará ao tratamento adequado, prevenirá o desenvolvimento das sequelas da obesidade, evitará o fracasso das abordagens de tratamento conservador e protegerá os pacientes e familiares do estigma", escreveram os autores Anke Hinney, Antje Körner e Pamela Fisher-Posovszky.

*A jornalista viajou a convite da Novo Nordisk