Pessoa com deficiência sem BPC poderá tentar xepa de vacina contra Covid em SP

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Pessoas com deficiências permanentes que não estão incluídas no BPC (Benefício de Prestação Continuada) podem se inscrever na lista de espera para receber doses excedentes da vacina contra a Covid-19 em unidades de saúde da cidade de São Paulo. A medida foi anunciada pelo secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, em entrevista coletiva, nesta sexta-feira (28).

O início da vacinação de funcionários da saúde com mais de 18 anos nesta sexta permitiu a inclusão do novo grupo, já que, até então, a imunização dos profissionais da saúde dessa faixa etária era restrita às doses excedentes.

Também podem se inscrever na lista de espera da vacina residentes da capital que tenham comorbidades e sejam maiores de 18 anos.

Doses excedentes são aquelas que sobram em frascos abertos, mas não são aplicadas no público-alvo da campanha em horário próximo ao fechamento dos postos de saúde.

O objetivo é utilizar essas doses para evitar desperdício de imunizantes, já que os frascos possuem 10 doses que, depois de abertos, vencem entre seis (no caso da AstraZeneca/Oxford) e oito horas (a Coronavac, da Sinovac/Butantan).

Em média, são de 1.800 a 2.000 doses todo final do dia, a chamada xepa [...]. Até que o Ministério da Saúde e o Estado coloque este grupo de forma definitiva na vacinação, queremos adiantar a imunização deste, que é um grupo muito importante", explicou o secretário de saúde.

Para se inscrever nas listas de espera, a pessoa que se encaixa nos requisitos deve procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa e informar dados pessoais e um telefone para contato. "É importante que o número seja válido, pois é por meio dele que a equipe da unidade de saúde fará o chamado em caso de haver sobras", diz a pasta.

A secretaria afirma que haverá segunda dose mesmo para quem se vacinar na lista de espera, já que no comprovante de vacinação não consta esse tipo de informação.

Nesta sexta-feira, junto aos profissionais da saúde maiores de 18 anos, a Prefeitura de São Paulo iniciou a vacinação de adultos acima de 40 anos com comorbidades ou deficiências permanentes e estudantes do último ano de cursos de saúde.

Aeroviários e aeronautas começarão a ser imunizados na capital a partir de terça-feira (1º) na cidade de São Paulo.

Agora, a prefeitura também exige comprovante de residência no momento de vacinação para garantir que as doses sejam destinadas aos moradores da cidade. Para quem já tomou a primeira dose, não há a exigência do documento para o reforço.

A Secretaria Municipal de Saúde informa que, caso o comprovante de residência esteja no nome de algum parente, é preciso demonstrar o grau de parentesco.