Petista assassinado teve encontro com Bolsonaro em Brasília em 2017

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O guarda municipal e militante petista Marcelo de Arruda, que foi assassinado por um bolsonarista em Foz do Iguaçu (PR), já havia tido um encontro amistoso em 2017 com o então deputado federal Jair Bolsonaro —hoje no PL e presidente da República.

Ele foi morto após o policial penal Jorge Guaranho invadir sua festa de aniversário de 50 anos, segundo relatos, citando o nome de Bolsonaro e com ataques ao PT.

Anos antes, porém, de acordo com colegas de Marcelo, o encontro ocorreu para tratar de uma questão sindical, devido a pleitos de guardas municipais sobre a categoria ao então deputado.

"A gente foi para Brasília por causa da reforma da Previdência, era uma mobilização dos guardas municipais. A gente foi para Brasília para que incluíssem os guardas municipais no texto da reforma, colocando a gente no caso da aposentadoria policial", diz Tony Cleverson Correa, então presidente da Associação dos Guardas Municipais de Foz do Iguaçu.

Tony diz que foi uma conversa amistosa, de cerca de 10 minutos. Segundo ele, Bolsonaro votou favoravelmente à categoria, mas a categoria não conseguiu ter seu pleito atendido pelos demais parlamentares.

Na ocasião, Marcelo era presidente do PT de Foz do Iguaçu, segundo Tony. "Ele [Bolsonaro] vinha numa crescente, já tinha detonado a questão do Partido dos Trabalhadores, mas o Marcelo foi tranquilo. Ele sempre foi do diálogo", conta o amigo.

O episódio é usado por colegas para exemplificar como Marcelo era alguém que tratava com pessoas com opiniões diferentes das dele.

Segundo amigos e familiares, o guarda jamais teria iniciado uma briga como fez o bolsonarista que invadiu sua festa e o matou –o homem foi baleado e segue internado.

"Eu conheço o Marcelo há muito tempo e ele nunca perguntou em quem eu votava", diz Francisco Vedur, 65, agente patrimonial na cidade e colega de trabalho de Marcelo.

De acordo com colegas, na festa que terminou na morte do militante, uma das brincadeiras era sobre fotografar amigos bolsonaristas de Marcelo próximo de símbolos do PT. Quando o policial penal Jorge Guaranho chegou, inicialmente, as pessoas da festa acharam que ele era só mais um convidado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos