Petista pediu para que assassino abaixasse a arma: 'Aqui só tem família'

Militante petista Marcelo Arruda foi morto a tiros (Foto: Reprodução)
Militante petista Marcelo Arruda foi morto a tiros (Foto: Reprodução)

Antes de ter sido baleado e morto, o guarda municipal Marcelo Arruda teria feito um apelo ao atirador e apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL). Com arma em punho, ele gritou: “Abaixa a arma que aqui só tem família”. A Polícia Civil do Paraná detalhou os momentos que antecederam o assassinato do militante petista. A informação foi divulgada pelo portal UOL.

A Polícia Civil do Paraná indiciou o policial penal Jorge José da Rocha Guaranho por homicídio duplamente qualificado por motivo torpe e por causar perigo a outras pessoas. Além disso, em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira (15), a polícia concluiu que não houve motivação política no assassinato de Marcelo Arruda.

Apesar de ter gritado o nome de Bolsonaro ao entrar em uma festa cujo tema era o PT, os investigadores descartaram motivação política. Segundo as autoridades, Guaranho estava em um churrasco quando soube sobre a festa de Marcelo. Outra pessoa que estava no churrasco teria acessado imagens de câmeras de segurança do local onde a festa acontecia.

“Para você enquadrar em crime político, tem que enquadrar em alguns requisitos. É complicado a gente dizer que esse homicídio ocorreu porque o autor queria impedir os direitos políticos da vítima. Ele tinha a intenção de provocar. E a gente avalia que a escalada da discussão entre os dois fez com que o autor voltasse e praticasse o homicídio. Parece mais uma coisa que se tornou pessoal”, justificou a delegada Camila Cecconello.

Ao invadir uma festa particular, o bolsonarista Jorge José da Rocha Guaranho saca a arma. A policial civil Pâmela Suellen Silva, esposa de Arruda, aparece e mostre o seu distintivo. Ela pede que o atirador abaixe a arma, mas ele não a obedece.

“O que a gente vê, na sequência das imagens, é que vítima e autor ficam de três a quatro segundos apontando a arma um para o outro. A vítima disse: 'Abaixa a arma, aqui é polícia, aqui só tem família'. O agente penitenciário respondeu: 'Abaixa a arma você'. Até que ele efetuou alguns disparos”, disse a delegada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos