Petistas dizem não ver chance de Márcio França se juntar ao PSDB em SP

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 18.10.2018: Márcio França (PSB), durante debate dos candidatos ao governo do estado de São Paulo, no estúdio da Band, em São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 18.10.2018: Márcio França (PSB), durante debate dos candidatos ao governo do estado de São Paulo, no estúdio da Band, em São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Petistas ligados à campanha de Fernando Haddad ao governo de São Paulo dizem não ver qualquer chance de concretização da aliança entre Márcio França (PSB) e Rodrigo Garcia (PSDB).

Como mostrou a coluna Painel, da Folha de S.Paulo, o ex-governador encontrou-se na segunda-feira (30) com Rodrigo Maia (PSDB) e Paulinho da Força (presidente do Solidariedade, encarregado de tentar ampliar o arco de alianças de Lula até a centro-direita) para tratar dessa possível aproximação. A reunião aconteceu na casa de Wilson Pedroso, coordenador de campanha de Garcia.

No estado, o PT não abre mão de lançar Fernando Haddad, assim como França tem reafirmado que não desistirá de sua pré-candidatura, o que colocou os partidos diante de um impasse.

Os aliados de Haddad afirmam que há otimismo em relação a um acerto para que França seja candidato ao Senado pela chapa. Caso fracasse, dizem crer que o pessebista disputará o Governo de SP. A hipótese de que ele saia para o Senado com o apoio do PSDB e mantendo o apoio a Lula é vista como irreal.

"É uma fantasia. Não enxergo qualquer possibilidade de um acordo como esse", diz Luiz Marinho, presidente do PT-SP. Sobre o encontro de França com tucanos para discutir o assunto, afirma que conversar é importante para fazer uma boa análise de conjuntura. Marinho e outros dizem que Garcia quer muito o apoio do ex-governador, mas não tem o que oferecer em troca.

França disse à coluna Painel, da Folha de S.Paulo, que, se Garcia estiver disposto a optar por Lula, acredita que o movimento será "útil para ele próprio e para o país."

"Sempre estou disposto pelo Brasil. Pro Brasilian Fiant Eximia [pelo Brasil façam-se grandes coisas]. Um governador de São Paulo é sempre um agente político importante. Suas decisões têm repercussão. João Doria já é um passado triste a ser esquecido. Na barca da Democracia cabe sempre mais um", acrescentou.

O pessebista disse, no entanto, não acreditar que Garcia esteja preparado para essa decisão.

"Decisões assim, fortes, como fez Alckmin, são pra protagonistas. É hora de separar os homens dos meninos", concluiu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos