Petro é eleito o primeiro presidente de esquerda da História da Colômbia

A Colômbia elegeu neste domingo (19) o primeiro presidente de esquerda de sua História, o senador e ex-guerrilheiro Gustavo Petro, que venceu o segundo turno com um discurso de ruptura e a promessa de transformar um país em crise.

Petro, de 62 anos, venceu com 50,4% dos votos o milionário independente Rodolfo Hernández, de 77 anos, que obteve 47,3% dos votos, segundo a apuração oficial. Petro elegeu-se com uma vantagem de 716.201 votos.

"A partir de hoje a Colômbia muda, uma mudança real que nos leva a algumas propostas que fizemos destas praças: a política do amor (...), uma política do entendimento e do diálogo", disse Petro, líder da oposição, em seu discurso da vitória.

Hernández, um "outsider" sem partido político, admitiu rapidamente sua derrota, aplacando o temor de protestos diante de um desenlace apertado. Durante o dia eleitoral, marcado pela tensão, Petro atiçou as suspeitas de fraude.

Mas, quando foi anunciada sua vitória, no centro de Bogotá, milhares de simpatizantes, a maioria jovens, explodiram de alegria.

"Comemoro porque, enfim, vamos ter uma mudança, isto é algo que os territórios esperavam (...) Isto demonstra que há esperança", disse à AFP Lusimar Asprilla, uma acadêmica afro de 25 anos.

Com a eleição de Petro, uma Colômbia claramente dividida entra em uma nova era política, sem um governo dos partidos tradicionais, derrotados no primeiro turno, também vencido por Petro.

A ambientalista Francia Márquez, de 40 anos, também fará história como a primeira vice-presidente negra da história da Colômbia.

Em declarações à Rádio Caracol, Márquez fez um aceno à "reconciliação" após as eleições.

"O grande desafio que todos os colombianos temos é a reconciliação (...) Em meio às diferenças, podemos construir uma nação que olha para frente, uma nação próspera", disse Márquez.

Petro sucederá o conservador Iván Duque a partir de 7 de agosto para um mandato de quatro anos.

Em uma transmissão ao vivo pelo Facebook, Hernández, seu adversário no segundo turno, aceitou o resultado. "Desejo ao doutor Gustavo Petro que saiba comandar o país, que seja fiel ao seu discurso contra a corrupção", disse.

Da mão de seu futuro presidente, a Colômbia também embarca ineditamente no trem da esquerda que a cada tanto passa pela América Latina. Líderes da região saudaram sua vitória.

"Felicito calorosamente os companheiros @petrogustavo, @FranciaMarquezM e todo o povo colombiano pela importante vitória nas eleições deste domingo. Desejo sucesso a Petro em seu governo. A sua vitória fortalece a democracia e as forças progressistas na América Latina", tuitou o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, considerado favorito nas pesquisas para as eleições presidenciais de outubro.

"Trabalharemos juntos pela unidade do nosso continente nos desafios de um mundo que muda velozmente", escreveu o presidente chileno, Gabriel Boric.

- Duas Colômbias -

Petro chegou à Presidência com a maior participação eleitoral deste século: 58% dos 39 milhões de eleitores foram convocados a votar em um país onde o voto não é obrigatório.

No Congresso, ele contará com uma bancada importante, mas sem garantir maiorias.

A esquerda venceu após os protestos maciços e sangrentos de 2019, 2020 e 2021, nos quais jovens que exigiam mais oportunidades de estudo e trabalho foram duramente reprimidos.

Naquelas ocasiões, as ruas já refletiam um profundo mal-estar com o abismo entre ricos e pobres. A Colômbia é o segundo país mais desigual da região, depois do Brasil, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe.

Com a pandemia, agravou-se a pobreza, que hoje atinge 39% dos 50 milhões de colombianos. O desemprego beira os 11% e a informalidade, os 45%.

Entre os outros desafios que o novo governo terá que enfrentar está o narcotráfico e a violência associada, com vários grupos armados espalhando-se pelo território.

Em seu discurso, Petro fez alusão às divisões e ferimentos deixados por uma campanha agressiva.

"A mudança consiste precisamente em deixar o ódio para trás; em deixar os sectarismos para trás. As eleições mais ou menos mostraram duas Colômbias, próximas em termos de votos. Nós queremos que a Colômbia, em meio à sua diversidade, seja uma Colômbia", destacou.

Petro e Hernández chegaram a esta eleição com duas propostas de ruptura e mudança, mas com modelos opostos.

O presidente eleito propõe fortalecer o Estado, transformar o sistema de saúde e pensões, e suspender a exploração petroleira para dar espaço às energias limpas diante da crise climática.

Também durante a campanha, anunciou que restabelecerá relações com a Venezuela, rompidas desde 2019, implementará o acordo de paz de 2016 com as extintas Farc e dialogará com o Exército de Libertação Nacional, a última guerrilha reconhecida no país.

- E os militares? -

Petro também terá que vencer a resistência de setores poderosos e das Forças Armadas, que ainda o criticam por seu passado de guerrilheiro apesar de ter assinado a paz em 1990.

Eles temem que suas reformas afetem a propriedade privada e conduzam o país para um socialismo falido. Na campanha, o presidente eleito se comprometeu em cartório que não expropriará bens, e mais adiante assegurou que tampouco irá reformar a Constituição para se manter no poder.

Talvez uma das maiores expectativas está em sua relação com os militares, que terão que jurar lealdade a um ex-guerrilheiro em um país traumatizado por um conflito de seis décadas com os rebeldes de extrema esquerda no centro.

"A desconfiança entre o presidente e os militares é significativa. Petro deverá escolher um ministro da Defesa que tenha o respeito e a confiança" das tropas, destacou à AFP o analista Sergio Guzmán, da consultoria Colombia Risk Análisis.

Caso contrário, a transição será "um desastre", acrescentou.

Após um mandato conflituoso à frente da prefeitura de Bogotá, Petro deverá demonstrar que é capaz de trabalhar em equipe para governar o país e alcançar consensos.

Ele tem uma "personalidade que muitos associam com a intransigência, a teimosia e um ego que limita o diálogo", afirma a cientista política da Universidade Javeriana Patricia Muñoz.

bur-vel/lbc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos