Petrobras aumenta preço de gasolina e diesel às vésperas de mudança no comando

Bruno Rosa
·2 minuto de leitura

Na véspera da nomeação do general Joaquim Silva e Luna como presidente da estatal, a Petrobras anunciou alta nos preços da gasolina e do diesel nesta quinta-feira. Os novos valores passam a valer a partir de amanhã.

Segundo a estatal, o diesel teve alta média por litro de R$ 0,10 . Assim, passará de um preço médio de R$ 2,66 para R$ 2,76. Esse é o sexto aumento desde janeiro. No ano, o diesel acumula alta de 36,6% nas refinarias.

O litro da gasolina subiu R$ 0,05 por litro, passando de R$ 2,59 para R$ 2,64. Esse é o sétimo aumento do ano. Assim, no acumulado do ano a gasolina acumula alta de 43,4% nas refinarias.

Em nota, a Petrobras disse que o "alinhamento dos preços ao mercado internacional é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras".

A estatal esclareceu que "os reajustes são realizados a qualquer tempo, sem periodicidade definida, de acordo com as condições de mercado e da análise do ambiente externo". Isso possibilita, informou a empresa, "competir de maneira mais eficiente e flexível e evita o repasse imediato da volatilidade externa para os preços internos".

No dia cinco de abril, a Petrobras elevou o preço do gás às idstribuidoras em até 39%. A alta começa a valer a partir de maio. O reajuste será repassado ao consumidor final, embora não na mesma proporção, segundo a associação que reúne as distribuidoras.

O aumento nos preços dos combustíveis a partir de meados de fevereiro gerou um desgaste entre o então presidente da estatal Roberto Castello Branco e Jair Bolsonaro. Insatisfeito, Bolsonaro demitiu Castello Branco e nomeou Silva e Luna para o cargo.

Silva e Luna foi eleito membro do Conselho de Administração na última segunda-feira em assembleia de acionistas. A expectativa, segundo fontes, é que o general adote algum tipo de mudança na política de preços em relação à antiga gestão.

Silva e Luna já está no Rio e vem trabalhando presencialmente na estatal, no Centro da cidade. Uma das primeiras decisões da nova gestão é reavaliar o home office em maio deste ano para os cerca de 20 mil funcionários. A data de avaliação do home office já estava marcada e será mantida, mas a diretoria deverá voltar logo a trabalhar na sede da petroleira.