Petrobras divulga lucro e dividendos nesta quinta-feira em meio a pressões por novos reajustes

Após dois meses sem reajustar a gasolina, a Petrobras divulga nesta quinta-feira, após o fechamento do mercado financeiro, seus resultados financeiros relativos ao terceiro trimestre. A expectativa é que a estatal tenha lucro líquido entre R$ 42 bilhões e R$ 53,5 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg. No terceiro trimestre do ano passado, a estatal registrou ganhos de R$ 31,14 bilhões.

Transição: Lula busca técnicos de ‘grife’ para o Ministério da Fazenda

ANP : Medidas inéditas para evitar desabastecimento de combustíveis no Brasil

Segundo relatório da XP, a expectativa é de "um trimestre sólido para a empresa". Para especialistas, o resultado da companhia será impulsionado pelo avanço do preço do petróleo no mercado internacional, na faixa dos US$ 98 por barril. Destaca ainda o impacto do dólar alto, a R$ 5,22.

Além disso, a companhia deve distribuir cerca de R$ 30 bilhões (cerca de US$ 6 bilhões) em dividendos referente aos resultados nesse terceiro trimestre de 2022, aponta previsão de bancos. A XP calcula um ganho de R$ 2,4 por ação. A expectativa é que a receita da companhia deve ficar entre R$ 159 bilhões e R$ 164 bilhões no terceiro trimestre. Entre julho e setembro de 2021, a receita foi de R$ 121,59 bilhões.

Segundo especialistas, o resultado ocorre em meio a pressões por novos reajustes nos combustíveis, já que a companhia não eleva os preços da gasolina desde o início de de setembro. Além disso, investidores se preocuparam como será a condução do PT na próxima gestão da Petrobras e as mudanças na política de preços, que hoje leva em conta a cotação do petróleo e do dólar.

Dados da Abicom, que reúne importadores, a defasagem nos polos da Petrobras está atualmente (com base nos dados de terça-feira) em 18% para gasolina e em 14% no diesel.

Produção teve queda de 6,6% no terceiro trimestre

A produção de petróleo e gás da Petrobras caiu 6,6% no terceiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, chegando a um total de 2,644 milhões de barris de óleo equivalente (boe) por dia. No acumulado dos primeiros nove meses do ano, o recuo é de 3,6%.

Até a produção do pré-sal, principal área produtora da estatal que responde por representando 73% da produção total e foco de investimento da companhia, caiu. Entre julho e setembro, foi extraído 1,6 milhão de barris de petróleo por dia, uma queda de 3,8% ante o mesmo período do ano passado.

A venda de derivados no mercado interno caiu 7,6% no terceiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. No ano, a queda é de 3%. As vendas de diesel caíram 9,6% no terceiro trimestre. "O principal fator foi o impacto do desinvestimento da RLAM (Refinaria de Mataripe, na Bahia, vendida para a Mubadala), concluído em novembro de 2021.

Também contribuíram para o recuo das vendas o aumento das entregas por outros produtores nacionais e importadores bem como a redução do consumo de diesel para geração termelétrica".

Também houve queda de 8,2% na venda da gasolina no terceiro trimestre. "A partir de julho, após a redução de tributos sobre o derivado, houve redução dos preços ao consumidor" e a gasolina "ampliou sua competitividade" em relação ao etanol hidratado na opção da frota flex, disse a estatal.