Petrobras diz que lucro retorna à sociedade e não descarta novos dividendos

·4 min de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  14-09-2021, 12h00: O presidente da Petrobras, General Joaquim Silva e Luna, participa de comissão geral da câmara dos deputados, presidida pelo presidnete da câmara deputado Arthur Lira (PP-AL), para falar sobre a política de preços dos combustíveis da empresa. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 14-09-2021, 12h00: O presidente da Petrobras, General Joaquim Silva e Luna, participa de comissão geral da câmara dos deputados, presidida pelo presidnete da câmara deputado Arthur Lira (PP-AL), para falar sobre a política de preços dos combustíveis da empresa. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Após criticas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aos elevados lucros da Petrobras, o presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, defendeu que o resultado da empresa beneficia toda a sociedade, com a distribuição de dividendos à União, pagamento de impostos e investimentos.

Nesta quinta-feira (28), a Petrobras anunciou a distribuição de mais R$ 31,8 bilhões em dividendos, dobrando o montante previsto para 2021, como remuneração pelo lucro acumulado de R$ 75,1 bilhões nos nove primeiros meses do ano.

Nesta sexta (29), a direção da companhia disse que nova parcela de dividendos pode ser distribuída após o encerramento do quarto trimestre, dependendo do desempenho da empresa nos últimos três meses do ano.

O anúncio do resultado trimestral foi feito pouco depois de declarações do presidente Bolsonaro em defesa de um "viés social" para a empresa. Com a popularidade afetada pela escalada dos preços dos combustíveis, o presidente da República disse que a Petrobras "não deveria lucrar tanto".

"A Petrobras não persegue o lucro pelo lucro", afirmou Silva e Luna nesta sexta (29). "Nosso objetivo é retornar valor para nossos acionistas e para a sociedade por meio de impostos, dividendos e investimentos, que dentro do contexto da transição energética devem ser acelerados."

O presidente da Petrobras argumentou que, como maior acionista da empresa, a União receberá R$ 23,3 bilhões dos R$ 63,4 bilhões que a companhia já aprovou distribuir em 2021.

"São recursos que ajudam a sustentar políticas públicas para todos os brasileiros e que beneficiam principalmente os mais vulneráveis", defendeu. "Quanto mais saudável a companhia, mais recursos ela distribui para a sociedade."

O diretor financeiro da companhia, Rodrigo Araújo, deixou aberta a possiblidade de novos dividendos sobre o resultado de 2021, dependendo dos resultados do quarto trimestre. Os valores anunciados até agora são uma antecipação do retorno sobre desempenho do ano.

"Não comprometendo a sustentabilidade da companhia e a depender dos resultados do quarto trimestre, nosso compromisso é retornar o caixa excedente [ao acionista]", afirmou, em encontro virtual com analistas para comentar o balanço do trimestre.

Os elevados dividendos entraram no alvo da oposição ao governo. Para o pré-candidato do PDT à presidência, Ciro Gomes, os números são "um tapa na cara de cada brasileiro e uma punhalada profunda no coração dos mais pobres".

"Os lucros gigantescos -- imediatamente distribuídos aos acionistas -- agridem, zombam, humilham milhões de pessoas que pagam o combustível mais caro da história enquanto poderosos acionistas se banqueteiam", escreveu Ciro uma rede social.

De fato, segundo pesquisa divulgada na quinta pelo Observatório Social da Petrobras, o preço da gasolina nas bombas atingiu na semana passada o maior valor desde que a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) começou a publicar os preços semanais de venda dos combustíveis, em 2002.

Os R$ 6,36 cobrados por litro na semana passada ultrapassaram os R$ 6,25 vigentes em fevereiro de 2003, em valor corrigido pela inflação, o maior preço registrado desde então. Diesel e gás de cozinha já haviam atingido recordes ao longo do ano.

Com os reajustes anunciados nesta segunda-feira (25), o preço da gasolina nas refinarias da Petrobras acumula alta de 74% em 2021. Já o diesel subiu 65% desde o início do ano. Analistas dizem que defasagem não foi eliminada e veem espaço para novos aumentos.

No encontro com analistas, o presidente da Petrobras defendeu que os bons resultados da empresa coroam "a maior recuperação financeira da história" após a crise provocada pelo represamento de preços e pelo esquema de corrupção investigada pela Operação Lava Jato.

"Em julho de 2014, a dívida bruta da Petrobras era a maior dívida corporativa do mundo", afirmou. "A Petrobras pagava por ano mais de US$ 6 bilhões só com juros. Isso deixava a companhia em grande desvantagem em relação aos seus concorrentes e sufocava sua capacidade de investimentos."

No terceiro trimestre, a empresa atingiu sua meta de endividamento abaixo de US$ 60 bilhões com 15 meses de antecedência. A antecipação da meta pode acelerar ainda mais a distribuição de dividendos, segundo a política de remuneração aos acionistas da companhia.

Aprovada em 2019, a política permite a distribuição de dividendos mesmo com prejuízo e, em caso de dívida abaixo da meta, os valores podem superar o mínimo obrigatório ou um valor equivalente a 60% da diferença entre o fluxo de caixa e o valor dos investimentos.

"Nossa expectativa é, para o ano de 2022, trabalhar com o cenário bem mais alinhado com a política de dividendo e com o compromisso de distribuir 60% do fluxo de caixa livre", afirmou Araújo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos