Quatro diretores da Petrobras deixarão empresa após saída de Castello Branco

·1 minuto de leitura
Edifício-sede da Petrobras, no Rio de Janeiro (RJ)

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Quatro membros da diretoria da Petrobras, incluindo a diretora financeira, Andrea Almeida, informaram ao conselho da petroleira que não têm interesse de renovar seus mandatos para um novo período, após a saída do atual presidente Roberto Castello Branco, informou a companhia nesta quarta-feira.

Além de Almeida, também deixarão a empresa o diretor executivo de Comercialização e Logística, André Chiarini, o diretor executivo de Exploração e Produção, Carlos Alberto Oliveira e o diretor executivo de Desenvolvimento da Produção, Rudimar Lorenzatto.

Os mandatos da diretoria executiva foram encerrados em 20 de março, mas os executivos estão comprometidos a cumprir com deveres e obrigações até a posse de seus respectivos sucessores, o que deve ocorrer após a realização da Assembleia Geral Extraordinária, em 12 de abril.

O presidente Jair Bolsonaro decidiu não renovar o contrato de Castello Branco após atritos relacionados à política de preços de combustíveis da estatal. Para o seu lugar, foi indicado o general Joaquim Silva e Luna.

A indicação do general da reserva para ocupar uma vaga no Conselho de Administração da estatal será apreciada em 12 de abril, em uma assembléia de acionistas. Depois da eleição dos novos conselheiros, Luna deverá ser eleito pelos seus pares para o posto de principal executivo.

Em entrevista à Reuters publicada mais cedo nesta quarta-feira, Luna afirmou avaliar que parte da diretoria atual poderia continuar na estatal, pelo menos em um primeiro momento de sua gestão.

Na reportagem, ele afirmou que pretende "valorizar a prata da casa" ao apontar executivos para os principais postos na companhia, que tem "excelente" corpo técnico.

(Por Marta Nogueira)