Petrobras ignora pressão do ONS e desliga usina com risco de "falha catastrófica"

·1 minuto de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • Petrobras foi pressionada a manter ligada uma usina termoelétrica que necessitava de manutenção;

  • A estatal alega que desligou a usina para evitar uma "falha catastrófica";

  • O ONS é responsável por determinar o que será gerado em cada uma das usinas operantes no país.

O Operador Nacional do Sistema (ONS) pressionou a Petrobras a manter ligada uma usina termoelétrica, embora soubesse da necessidade de manutenção. A estatal alegou que, para evitar uma “falha catastrófica” na estrutura da unidade, desligou a usina. 

As informações vêm de comunicados realizados entre a empresa estatal, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e o ONS.

Leia também:

Por causa dos baixos níveis dos reservatórios das hidrelétricas, resultado da pior estiagem dos últimos 91 anos, o ONS vem exigindo que usinas de geração térmica, ou seja, a gás, diesel, biomassa e carvão, funcionem na capacidade máxima, de forma a tentar manter mais água nas barragens, forçando os limites do sistema.

O Operador é o responsável por determinar o que será gerado em cada uma das usinas operantes no Brasil, procurando distribuir essa geração entre as diversas fontes, garantindo o equilíbrio da divisão.

Nivalde de Castro, coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) da Universiade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) adverte sobre os riscos de estresse na estrutura das térmicas, sendo que muitas não foram projetadas para operarem ininterruptamente.

As informações são do Estadão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos