Petrobras inicia montagem do 'Dragão', supercomputador com capacidade equivalente à de quatro milhões de celulares

Carolina Nalin
·1 minuto de leitura
Arquivo/Agência O Globo

RIO — A Petrobras começou a receber os componentes para iniciar a montagem do "Dragão", supercomputador com capacidade de processamento equivalente à de quatro milhões de celulares.

O equipamento será usado para melhorar o desempenho do uso de dados geofíscos, o que vai colaborar para reduzir riscos geológicos e operacionais.

A equipe de geofísicos e analistas de sistema da companhia desenvolveu algoritmos para o supercomputador, que possibilitará a geração de imagens da subsuperfície com maior resolução em áreas de interesse para exploração de petróleo e gás natural e otimização da produção, além de reduzir de forma significativa os tempos de processamento de dados.

A Petrobras tem investido em supercomputadores de alto desepenho. Já conta com os dois maiores da América Latina, o Atlas e o Fenix, também dedicados a processamento de dados geofísicos.

Em um prazo de menos de dois anos, a companhia colocou nove supercomputadores em produção. O Dragão terá capacidade superior à de Atlas e Fenix juntos.

Para levar os equipamentos até a companhia serão necessários ao menos dez caminhões. O tempo de montagem do supercomputador pode se estender por até três meses.

De acordo com a Petrobras, o início de operação com plena produção está previsto para o segundo semestre de 2021.