Petrobras pode ter CEO interino por prazo legal de troca de comando, dizem fontes

Rodrigo Viga Gaier
·2 minuto de leitura
Sede do Petrobras no Rio de Janeiro

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras poderá ser comandada por um interino durante o processo de transição do atual presidente Roberto Castello Branco para o indicado para o cargo, general Joaquim Silva e Luna, segundo duas fontes com conhecimento do processo.

O mandato de Castello Branco vence em 20 de março, mas não haveria tempo legal para a realização da assembleia de acionistas para confirmar Luna antes do dia 30.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto. As fontes não souberam afirmar quem poderia ficar no comando.

O general da reserva --indicado pelo presidente Jair Bolsonaro após atritos com o atual CEO sobre preços de combustíveis-- já iniciou contatos com a Petrobras para assinar e apresentar documentos que serão analisados e passarão pelos ritos de governança da estatal, segundo as fontes, que preferiram ficar no anonimato.

"Ele (Luna) já começou a recolher e assinar uma verdadeira pilha de documentos. Esse material deve ser entregue à Petrobras até sexta-feira", afirmou uma das fontes.

"Só após a entrega da documentação e análise dos papéis pelos comitês internos da empresa é que a assembleia extraordinária para indicar o nome do general para o conselho da empresa poderá ser convocada."

E, por força de lei, a assembleia tem que ocorrer num prazo de 30 dias após a convocação, segundo as fontes.

"Como imagina-se que a convocação será feita na semana que vem, a perspectiva é que a assembleia aconteça em 30 de março", disse uma segunda fonte.

"Com o nome aprovado, estima-se que o conselho de administração vai se reunir no dia seguinte e aprovar a indicação de Luna para o colegiado e consequentemente para presidência (executiva)", disse a primeira fonte.

Luna é atual diretor-presidente de Itaipu e pretende se desligar da binacional assim que tiver o nome aprovado pela Petrobras. Um outro general, João Francisco Ferreira, vai assumir o comando brasileiro da hidrelétrica.