Petrobras se articula para enfrentar novo inimigo: ladrões de combustível

Reuters
Petrobras enfrenta casos de roubo de combustível.

A Petrobras, nos últimos cinco anos, enfrentou uma investigação épica sobre corrupção, uma recessão devastadora e preços instáveis ​​do petróleo.

Agora, a empresa mais importante do Brasil enfrenta outro desafio: ladrões estão furtando milhões de reais em combustível para vender no mercado negro.

Os casos que miram oleodutos da Petrobras subiram para um recorde de 261 nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo no ano passado, contra apenas um caso em 2014, de acordo com comunicado da empresa de agosto e declarações feitas à Reuters por representantes da petroleira.

A maioria desses assaltos, segundo a polícia, é obra de sofisticados grupos criminosos, alguns com caminhões próprios, empresas de distribuição e até postos de gasolina no varejo.

“São criaturas criativas”, disse Julio da Silva Filho, chefe de uma unidade policial do Rio que investiga o roubo de petróleo na cidade e nos arredores.

O crime custa à subsidiária de distribuição da Petrobras Transpetro mais de 150 milhões de reais por ano, afirmou o presidente-executivo da Petrobras, Roberto Castello Branco, em um evento em junho.

As supostas perdas são pequenas em comparação com as do outro grande player de energia da América Latina ―o México― onde gangues de criminosos se infiltraram nos negócios de petróleo em grandes proporções. O furto de combustível custa à estatal mexicana Pemex mais de 3 bilhões de dólares anualmente, segundo dados da empresa.

Mas eliminar os problemas do Brasil o quanto antes, disse Silva, será crucial para impedir que os criminosos se entrincheirem na indústria do petróleo.

“Estamos trabalhando exatamente para impedir que o Brasil se transforme no México”, disse ele.

A Transpetro criou um programa para reunir informações sobre grupos criminosos e está gastando 100 milhões de reais por ano para financiá-lo, de acordo com uma fonte de alto escalão da empresa, que pediu anonimato para evitar retaliação por parte dos...

Continue a ler no HuffPost