Petroleiros cobram ações da Petrobras junto ao MPT por Covid em plataformas

Marta Nogueira
·3 minuto de leitura
Plataforma da Petrobras no litoral do Rio de Janeiro

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Petroleiros do Norte Fluminense, que atuam na Bacia de Campos, pediram ao Ministério Público do Trabalho que a Petrobras seja chamada a prestar esclarecimentos sobre o avanço da Covid-19 em plataformas de óleo e gás, após uma disparada de novos casos em unidades de produção, segundo documento visto pela Reuters.

Os casos de Covid-19 em plataformas de petróleo e gás do Brasil voltaram a apresentar tendência de alta desde o início de março, revertendo um movimento de queda visto no início do ano, apontaram dados da agência reguladora do setor ANP.

O diretor do departamento de saúde e meio ambiente do Sindipetro Norte Fluminense, Alexandre Oliveira, afirmou à Reuters que, mesmo nas plataformas operando com 70% da capacidade, em média, é grande o trânsito de trabalhadores.

"Essa redução de pessoal é fantasiosa... ainda tem muita gente embarcada junta", disse Oliveira, citando uma das medidas que a Petrobras adota para minimizar os riscos.

Segundo ele, a Petrobras bateu recorde de produção no meio da pandemia, no ano passado, e não há "como manter um distanciamento no meio das atividades o tempo todo."

Denúncias recebidas pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) indicam casos de contaminação nas unidades offshore P-43, P-38, P-63, P-25, P-35, de acordo com o requerimento do Sindipetro ao MPT.

Conforme a última atualização de painel dinâmico da ANP que acompanha a pandemia, foram reportados 83 novos casos em plataformas de petróleo do Brasil na última segunda-feira, maior pico desde o final de janeiro. Já na quarta-feira, foram reportados outros 26 novos casos.

Com isso, a média móvel dos últimos 15 dias apontou aproximadamente 30 novos casos em plataformas de petróleo na véspera, quase o dobro do visto no início do mês, quando os registros indicavam os menores níveis desde novembro.

A média móvel registrou o seu pico em 8 de janeiro, com cerca de 70 novos casos.

Levantamento da reguladora à Reuters indicou que oito plataformas chegaram a ser paralisadas desde março do ano passado por motivos de Covid-19.

Apesar de não haver indicação de alguma unidade paralisada no momento, a pandemia foi apontada pela ANP como motivo de uma queda de 8% na produção de petróleo em fevereiro, ante o mesmo mês do ano passado, quando a Covid-19 ainda não havia se espalhado pelo Brasil.

Os petroleiros querem que a Petrobras apresente protocolos mais rigorosos, como testes em três momentos distintos: no embarque, na metade do período da escala e no desembarque. Atualmente, a empresa realiza a testagem somente no embarque às plataformas.

Procurada, a Petrobras confirmou a ocorrência de casos de Covid-19 em algumas plataformas, mas disse que segue protocolos de segurança, mediante os quais isola e desembarca qualquer profissional com sintomas e seus contactantes.

"Assim que o primeiro colaborador reporta sintomas às equipes de saúde a bordo, são tomadas as providências para isolamento, rastreio de contactantes e desembarque", disse a petroleira, acrescentando que são realizados testes preventivos das equipes a bordo das plataformas.

Segundo a Petrobras, desde o início da pandemia foram realizados mais de 650 mil testes para detecção do coronavírus, além da imposição de medidas como "redução do efetivo presencial e ampla adoção do teletrabalho" e "reforço na higienização e distanciamento nas unidades operacionais".

(Por Marta Nogueira)