PF abre inquérito para apurar ataque de hackers a computadores do STJ

Por Ricardo Brito
·2 minuto de leitura
.
.

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal abriu inquérito para apurar as circunstâncias da invasão da rede de computadores do Superior Tribunal de Justiça, informou a corporação nesta quinta-feira.

A decisão ocorre após o próprio STJ ter informado que houve um ataque hacker na tarde da terça-feira, o que levou à suspensão de todas as sessões de julgamento virtuais ou por videoconferência até que se tenha garantia de restabelecimento da segurança no sistema pelo menos até a próxima segunda-feira.

Segundo a Polícia Federal, diligências iniciais da investigação já foram adotadas, inclusive, com a participação de peritos do STJ. A apuração ficará a cargo da Superintendência Regional da corporação no Distrito Federal.

Uma fonte da PF disse que na quarta-feira já havia uma equipe avaliando as circunstâncias dos fatos. A Secretaria de Tecnologia de Informação do STJ busca recuperar o sistema.

Por ora, a página inicial do site do tribunal não pode ser acessada para verificar, por exemplo, andamento de processos. Os prazos processuais foram suspensos até a próxima segunda, enquanto demandas urgentes, como liminares ou habeas corpus ficarão centralizadas na presidência do STJ por esse período.

Em transmissão pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro disse que a PF entrou imediatamente no caso e já conversou sobre o assunto com o diretor-geral da corporação, Rolando Souza. Afirmou ainda, sem dar detalhes, que já descobriram quem foi o hackeador dos dados e que o presidente do STJ, João Otávio Noronha, elogiou a atuação da PF no caso.

Após se encontrar com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ministro do STJ Néfi Cordeiro admitiu a ação contra o sistema de informática do tribunal. Segundo ele, realmente houve a interrupção do trabalho desde terça-feira e no momento se está investigando a extensão do ocorrido.

"Não tenho maiores informações", disse ele, que entregou a Maia um anteprojeto de lei para controle de dados em investigações criminais.

Outro órgão federal passou por instabilidade em seu sistema de informática nesta quinta. O Ministério da Saúde acionou a equipe técnica de informática após ficar, desde o início da manhã desta quinta, sem acesso a internet, linhas de telefone fixo e emails corporativos, informou a pasta.

“A equipe técnica do Departamento de Informática do SUS (Datasus) investiga o que causou problema e trabalha para o restabelecimento do serviço, mas não há previsão para o retorno do sistema”, informou a assessoria por meio de nota, acrescentando que ainda não se sabe a causa do problema.

O Ministério da Saúde é responsável por divulgar diariamente pela internet as atualizações dos dados oficiais da pandemia de Covid-19 no Brasil.

Em nota, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que intensificou todos os procedimentos de segurança nos sistemas internos e externos da corte diante da proximidade das eleições municipais e após o ataque contra o STJ e a tentativa de ataques a outros órgãos.