PF abre inquerito para investigar ameaças contra políticos do PSOL

Chico Otávio
·1 minuto de leitura

A superintendência da Polícia Federal no Rio abriu inquérito para investigar uma série de ameaças de morte, feitas recentemente por email, a políticos de esquerda e identificados com causas identitárias. A deputada federal Talíria Petrone, os vereadores cariocas Tarcísio Motta e Mônica Benício (viúva de Marielle) e a vereadora de Niterói Benny Briolly (primeira trans eleita no município), todos do PSOL, estão entre os alvos das ameaças.

O texto, assinado por "Ricardo Wagner Arouxa", segue sempre o mesmo padrão, mudando apenas o enunciado. Quando a vítima é negra, o autor a chama de "macaca". Se é comprometida com as causas LGBTQIA+, é chamada de "sapatão", entre outras expressões chulas. O autor exige que o ameaçado renuncie. Caso contrário, seria assassinado.

As ameaças, dirigidas especialmente a candidatos eleitos no mês passado, preocuparam as vítimas, que decidiram agir em conjunto para cobras ações das autoridades.

O autor das ameaças escreve, em todas as mensagem, o endereço pessoal das vítimas.