PF abre procedimento para investigar disparo de arma de Milton Ribeiro em aeroporto

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 28.03.2022 - O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 28.03.2022 - O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

A Polícia Federal abriu um procedimento preliminar para investigar se o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro cometeu crime ao disparar acidentalmente a arma que portava durante procedimento de embarque no aeroporto de Brasília nesta segunda-feira (25).

Após o ocorrido, Ribeiro foi ouvido pela PF. Nesta terça (26) outras duas pessoas que testemunharam o acidente prestaram depoimento, uma delas a funcionária da Gol Linhas Aéreas que foi atingida pelos estilhaços do disparo.

Além de ouvir pessoas que presenciaram o disparo, a PF vai analisar as câmeras do aeroporto e pedir informações ao Exército sobre a arma e liberação para porte do ex-ministro.

À PF, Ribeiro afirmou que abriu sua pasta de documentos para pegar sua arma e separá-la do carregador.

"O declarante com medo de expor sua arma de fogo publicamente no balcão, tentou desmuniciá-la dentro da pasta, ocasião em que ocorreu o disparo acidental", diz trecho do depoimento.

Segundo o ex-ministro, o espaço dentro da pasta ficou "pequeno para manusear a arma". O disparo, disse ele, perfurou o coldre onde estava a arma, a pasta e se espalhou no chão no aeroporto.

Ao desmuniciar a arma no balcão da companhia aérea, Ribeiro descumpriu uma norma da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) que prevê a retirada da munição antes do embarque.

A PF no aeroporto de Brasília possui um lugar específico para a retirada das munições da arma a ser transportada.

Procurada pela reportagem, a Anac informou que o "despacho de arma de fogo e munições em aeronaves de transporte aéreo regular somente pode ocorrer com a autorização da unidade da Polícia Federal presente no aeródromo".

Segundo a agência, em casos de possíveis irregularidades poderão ser tomadas medidas administrativas em relação ao aeroporto e a companhia aérea.

"Os demais casos e envolvidos são de responsabilidade de outros órgãos públicos. A investigação fica a cargo da Polícia Federal e a Justiça determina as penas", diz a Anac.

A PF também foi questionada sobre se o ex-ministro solicitou algum tipo de autorização para o transporte da arma, mas não respondeu até a publicação deste texto.

O Exército, por sua vez, disse em nota que "não teve acesso à documentação apresentada por ocasião da ocorrência, para que possam ser analisadas eventuais medidas aplicáveis ao caso".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos